13/01/06
Efeito Subliminar - Parte 1

Subliminares, são aqueles estímulos externos que nos influenciam interiormente e dos quais, não temos consciência. Recordando como somos constituídos, é fácil entender como somos afetados por tais estímulos. Nossa existência é dividida em duas fases: a existência consciente e a existência subconsciente.
Para facilitar a compreensão, vamos denominar essas duas fases de: mente consciente e mente subconsciente.
Mente consciente: é nela que vivemos a maior parte de nosso tempo, desde quando despertamos até quando novamente adormecemos. Entrementes, nossa percepção do que existe além de nós mesmos, é através de nossos sentidos receptores: visão, audição, tato, paladar e olfato. Com a mente consciente exercemos nosso raciocínio, nossa vontade, optamos, adquirimos instrução, aprendemos uma profissão e utilizamos nosso intelecto para transmitir ou assimilar informações. Enfim, o mundo torna-nos perceptível através dela e dela –a mente consciente—decorre nosso condicionamento.
Mente subconsciente: ela é restrita ao nosso mundo interno. Também conhecida como “eu interior” ela é responsável pelo funcionamento dos nossos órgãos internos como, o pulsar do coração, funções do fígado, rins, metabolismo, cicatrização e etc.
Além da responsabilidade primordial de manter o corpo humano apto para manifestar a vida, a mente subconsciente tem outras capacidades. Uma delas é a facilidade de submeter-se a sugestões, o que, nos interessa neste momento.
Confunde-se o termo subjetivo com o termo subconsciente como se fossem sinônimos, mas, não são. Subjetivo é o estado intermediário entre a mente consciente e a mente subconsciente. São nos e dos estados subjetivos, que, transferimos à mente subconsciente as sugestões exteriores a que estamos sujeitos. Conseqüentemente, as sugestões transformam-se em motivos ocultos e ocasionalmente, manifestam-se como fortes desejos, levando-nos a atendê-los conforme sejam suas intensidades, ou, não atendê-los se são contra nossos princípios, nossa moral, religião, ética e etc.
Estados subjetivos são aqueles quando estamos pensando, raciocinando, refletindo, recordando, imaginando, como também, nos momentos que antecedem o sono. Assistir um filme, se esquecer de si mesmo ao compenetrar-se nele, esse estado é subjetivo.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar