13/01/06
Escalar da Montanha

A humanidade vive em conflito porque é prisioneira do mundo das aparências. Enganada e distraída pelos cinco sentidos, sendo eles a audição, visão, tato, paladar e olfato, desconhece outros recursos ou possibilidades que complementam o ser humano.
Podemos chamá-los de “sentidos internos” e são citados como intuição, inspiração, palpites, prevenção, numa alusão ao “anjo da guarda” de cada um. Tais sentidos internos as “antigas” Sociedades Secretas, “teoricamente”, ensinavam como desenvolvê-los ou aprimorá-los para se manifestarem mais habitualmente, diferente de suas manifestações ocasionais, esporádicas e surpreendentes. Dizem que quem se sujeita a exercitar suas capacidades ou “poderes” internos, diferencia-se e afasta-se dos demais.
Numa simbologia, é como se alguém mais evoluído que a maioria, sozinho subisse até o topo de uma montanha e de lá olhando para baixo pelo planalto ao redor dela, ficasse observando os seres humanos comuns vivendo em suas atividades comuns. Ele familiarizado com tudo da maioria e a maioria desconhecendo tudo dele.
O subir da montanha requer esforço próprio e para isso intermediários são inimigos.
O que se assiste do alto da montanha? Tudo o que contradiz a “superioridade” humana.
Assiste-se homem explorando homem, roubos, corrupção, assassinatos, desempregos, fome, analfabetos, politicagem, disputas, desamparo, desespero, carências, doenças, consumo, poluição, destruição, mentiras, insultos, brigas, difamações, fofocas, traições, violências, orgulho, racismo, preconceito, hipocrisia, vaidade, poder e etc.
Em dias festivos se vê também idiotas demais estourando bombas como que pedindo socorro para suas loucuras incuráveis, essas de perturbar o silêncio, uma condição desaparecida que os ignorantes não gostam por serem barulhentos como são suas cabeças recheadas de desnecessidades, elas que estão espalhadas no povo.

Ainda na simbologia, quem subiu ao topo da montanha e teve vislumbres do que um ser humano pode alcançar, nunca mais será o mesmo pra quando descer e voltar ao planalto e misturar-se com os outros. Muito do que é significante para outros, para ele tornou-se insignificante e os outros que não entendem, insistem em atraí-lo para suas insignificâncias.
Conseqüentemente, evitará aglomerações, discussões, obvianismos, atropelos das viagens dos feriados, laser, entretenimentos, não mais terá identificações com coisas ou pessoas, buscará o silêncio e a solidão, poderá mudar de alimentação, desprezará as ilusões e as superstições, as vaidades, a notoriedade, não gostará de interferências em seus momentos de introspecção, não fará questão de amizades, só aquelas de mútuo trocar experiências.

Como foi sumariamente explicado, se sabe agora porque poucos tentam “escalar a montanha”. Os que vivem de sensações não querem perder suas ilusões, suas emoções, o agradar dos instintos e suas tentações, essas paixões de suas vidas que são a felicidade das pessoas comuns desconhecedoras da felicidade que poderia estar dentro delas, independente das atrações visuais, auditivas, tatuais e degustativas do viver material.
Bem! Pelo menos, muitos conhecidos nossos, já escalaram o Pico do Jaraguá e essa façanha já é um bom começo, pois, despertou-lhes a curiosidade de ler isto que foi escrito até o fim.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar