13/01/06
Nossos Lixos

O ser humano não se dá conta das suas tranqueiras interiorizadas, as mantém e as leva por onde for. Em seus relacionamentos e mesmo tratando de assuntos considerados importantes, ele carrega seus lixos e eles não se fazem perceber por outros possuidores deles também, porque, em seus diálogos, as “importâncias” encobrem ou impedem o vazar ou transparecer suas poupanças de inutilidades.
Usando a luz como simbologia, sabemos ser ela “branca” composta das cores do arco-íris. As cores concentradas, unificadas, manifestam-se para nós como a claridade transparente e incolor embora imperceptíveis para o olho humano.
O ser humano diante de outro também é concentrado e unificado sendo ele suas utilidades e muito mais inutilidades, suas tranqueiras e lixos. Se igual ao prisma que decompõem da luz suas cores e as identifica separadamente, existisse um prisma para diluir ou desconcentrar do ser humano suas utilidades e inutilidades e vê-las identificadas separadamente, talvez, não tivéssemos mais com quem conviver.

Sendo muito sutil ---até parece--- isso muito tem a ver com as antipatias existentes entre os com poucas e os com muitas inutilidades constituídas, se não bastasse nossas próprias, insignificantes e estorvadoras do nosso existir.
Todo ser é um universo em miniatura. Tudo nele absorvido, embutido: fatos, erros, fracassos, arrependimentos, remorsos, sofrimentos, medo, traumas, inveja, comparações, ambições, realizações, alegrias, tristezas, pobreza ou riqueza, saudade, incapacidade, desprestígio, superstições e outras “coisas” além das constantemente absorvidas trivialidades, futilidades e tantas desnecessidades desta tresloucada era da comunicação, tudo isso sendo o universo em miniatura que é cada ser e com o qual que terá que conviver até morrer.

Comparando o “homem computador” com um computador de verdade, o homem é totalmente inferior quanto ao poder de se livrar de suas “sujeiras” como para isso tem poder para livrar-se das dele o computador sob o nosso comando. Ele manda para a lixeira o que não mais interessa, ficando lá até querermos esvaziá-la e depois nenhum vestígio fica para reaparecer e intrometer-se no que interessa.
O homem, quando tenta esquecer o que considera insuportável lembrar, é como se enviasse para uma “lixeira interior” seus tormentos, porém, nunca conseguirá esvaziá-la e por isso, sempre ela estará exalando-lhe o odor de seu conteúdo, mesclando-o com os momentos de sua vida ou, sendo mais comum, a poupança de sua lixeira se esparrama pela sua cabeça e sua boca transfere para outros suas imbecilidades, aqueles lixos habituais tão disputados deste nosso cotidiano.

Esses “universos em miniatura” têm como suas desditas suas inconsciências ou despercebimentos das utilidades ou importâncias, aquelas que uma vida produtiva precisa para viver com reais valores. Enquanto não sabemos ou queremos isso, neste país, como ele é democrático, não é contra a lei espalharmos nossos lixos e também é bom porque sempre seremos atuais, populares e considerados.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar