13/01/06
Aposentar é acordar

A vida de cada um começa com o vazio de seu cérebro iniciando seu preenchimento desde criança até a maturidade. É quando cada um pode se “ver” como se tornou.
“Olhando” para o passado e a partir dele vir até o presente que se encontra, tudo o que rememorar ou não, terá sido seu preenchimento, aquilo que qualquer pessoa é.
Até então, o viver pode ter sido apenas dedicado às contingências da existência, sendo uma delas como exemplo, o longo período de trabalho necessário para auferir recursos para o sustento e adquirir bens materiais.
Nessa seqüência de sobrevivência e conseguimentos materiais, o homem se aprisiona no se capacitar para as disputas e exigências da sociedade, onde e quando, seu reconhecimento só é válido se contribui com seus encargos sociais.
Existindo na clandestinidade, o homem é considerado desprezado. Nada formalizado em seu nome, ele é visto como fracassado e apenas tolerado por outros que se julgam superiores por serem “normais” como bem estabelecidos na sociedade e possuidores de confortos respeitados e desejados.

Nesse panorama existencial sistematizado de donde o homem não consegue se libertar, distraído ou iludido, ele vive pelo passar de seus anos, envolvido pelo material existir, acreditando nele como sua segurança futura. É difícil ele conseguir separar o que ao corpo pertence do que pertence à sua cabeça. Quando se aposenta, se encontra obrigado a manter seus recursos à altura de seus pertences e eles se tornarão mais importantes que sua vida que vida deixou de ser para seus pertences serem sua vida. Por essa altura dos acontecimentos, seu organismo já perdeu parte da força que o mantinha ativo para suas conquistas e o homem se agarra no que possui. Claro, ainda pensa que ele é o que ele tem. Essa escravidão impede muitos de se aposentarem e dão satisfações dizendo não conseguirem viver sem fazer nada.
Se pelo menos soubessem, poderiam confessar terem decorrido seus anos, no automatismo de suas ocupações, sem se preocuparem com outras, aquelas das propriedades invisíveis da cabeça, que sem encargos sociais, recoloca em si mesmo o homem em seu “ser” sem o seu “ter”, esse ter que provoca o divórcio entre o corpo e o espírito.

Muitos, depois do tudo de suas vidas, encontram-se perdidos em seus vazios inexplicáveis, apesar de tudo terem feito, igual, pior, ou, melhor que outros.
Tais desiludidos se merecem na sentença: “Nadou, nadou e vai morrer na praia”.
Embora não sendo para todos, “aposentar é acordar” porque o homem se liberta de suas “obrigações” com a sociedade e é quando percebe de fato o quanto esteve amarrado nas exigências dela, cuja conseqüência resultou no despreparo para sua velhice, naquele “não sei o que fazer, eu não tenho o que fazer”.
Aposentar é acordar, quando o homem se dedica mais pelas suas “propriedades invisíveis”, se as tiver, sendo elas suas habilidades mentais e respaldo para viver distanciado das contrariedades que afetam muitos. Assim saberá quando é preciso se isolar da sociedade, livrando-se do ônus imposto pela participação nela.
Então, mais dedicado a si mesmo, o viver torna-se mais consciente e preenchido.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar