13/01/06
Cuidado, são impactos

1
Sou gente do povo
Nada de louvor
Pouco me envolvo
Só sou gozador
2
Mulheres
Tão estranhas
Conquistam
Pelas entranhas
3
Tanto tempo de estudo
Filosofia e simbologia
Para conquistar mulher
Não precisa psicologia
4
Prossigo pela democracia
Pelos bares e tabernas
Parece até profecia
Tudo virou baderna
5
De tudo o que existe
Basta saber um pouco
É fim de ocultista
Ser pilantra ou louco
6
Com mente desarmada
Embora já formada
Não vejo protestante
Porque vivo distante
7
Na minha sou sozinho
Não é que seja ateu
Tenho outro caminho
Na concepção de Deus
8
Deus e o diabo
O bem e o mal
Possuo os dois
Sou paranormal
9
Não estou à venda
Diabo cara - de - pau
Nunca me comprará
Não aceito real
10
Ameaças-me com o fogo
Desse teu fogão
Ah, ah, ah, ah, ah,
Eu que sou um vulcão?
11
Não somos iguais
Nem somos homônimos
Você é apenas satã
Eu sou o demônio
12
Sei que tens chifres
Só pode ser veado
Es horrível e peludo
Ai bruto e malvado
13
Já me infernizaste
Cansou a paz minha
Fiquei a perguntar
Que diabo ce tinha
14
Diabo, gira e danças
Como se fosse bamba
Já fui te procurar
Não te vi no umbanda
15
Porque tanto medo
Não tem mistério
Já fui fazer pelado
Macumba no cemitério
16
Perambulo pelos bares
É um grande desgosto
Não consigo parar
Tenho muito encosto
17
Gosto mesmo de variar
Isso não é mentira
Não consegui transar
Com a pomba-gira
18
Pisei em algo podre
Fedeu pra chuchu
Só depois percebi
Que pisei num Exu
19
Caminhando sozinho
Uma voz ecoou
A mesma do passado
Que ao Caim falou
20
Porque andas sozinho
Longe dos semelhantes?
Você não é melhor sendo
Da mesma semente
21
Não venhas com sermão
Não matei meu irmão
Você cometeu engano
Neste mundo desumano
22
Maná no deserto
Somente para alguns
Nas nossas favelas
Não cai nenhum
23
O mar vermelho
E o fenômeno
Fluxo e refluxo
A cada oito anos
As águas se separam
Que ironia Moisés sabia
24
Crescei-vos e multiplicai-vos
Pra que tanta gente
Veja o resultado
Quantos indigentes
25
Se são mentiras e daí?
Porque você não se cala?
Afinal os seres humanos
Precisam de bengalas
26
É mesmo a mentira é
Casada com a fé
A verdade é solteira
Porque ninguém quer
27
Descendente de Eva
E também de Adão
Por que te enervas
Por que a reclamação?
28
O destino me pariu
Nem lembro de Adão
Se meu começo foi ele
Estaria noutra situação
29
Adão caiu do paraíso
Ele não tem desculpa
Isso é problema dele
Não vou levar a culpa
30
Criaram muitas leis
Quase nada vingou
Dizem que foste tu
Que as proclamou
31
Aqui então é sacrilégio
E é tudo como aprouver
Homem com homem
E mulher com mulher
32
Es comercializado
No mundo inteiro
Te materializaram
Faturam muito dinheiro
33
Dizem os mandamentos
Que proíbes e aconselhas
Os homens se dividiram
Entre lobos e ovelhas
34
Falam que ensinaste
A dividir o pão
Não deu certo
Tem muito ladrão
35
Prometeram amar até
Que a morte os separe
Isso cumpriram bem
Até trocam de pares
36
Não cobiçarás a mulher
Do próximo presente
A lei não se aplica
Se ele estiver ausente
37
Também não roubarás
Isso foi compromisso
Alguns roubam porque
Muitos são omissos
38
Leram as Escrituras
Salmos e deuteronômio
Ficaram engraçados
Falando de demônios
39
Muitos são diferentes
Com a bíblia do lado
Só acreditam nela
Os seus acostumados
40
Religião é religar
Não é nada novo
Muitas só servem
Para separar o povo
41
Destas distorções
Muitos não vão gostar
Existem cabeçudos
Que vão contestar
42
Mas, chegando até aqui
Me diverti um pouco
Embora tenha burro
Que me ache louco
43
Chega impertinente
Pare de tagarelar
A voz que Caim ouviu
Pra ti vai calar
44
És ovelha negra
Separada do rebanho
Você mesmo se excluiu
Viverás como estranho
45
Tá bom! Tá bom!
Apenas fui franco
Relatei os fatos
Agüente o tranco
46
É que com religiões
Causaram muito atrito
Tudo é acessível à quem
Tem universo restrito
47
Com tanta bagunça
Tudo parece chiqueiro
Já ouvi porco grunhir
Que Você é brasileiro
48
Gosto de brincadeira
E também de roupagem
Muito já escutei de que
Somos a Tua imagem
49
Você por ser safado
Sem ser mancomunado
Já está condenado
A ser excomungado
50
Nada posso fazer se
É isso o que ganho
Ter que viver solitário
Desprezado pelo rebanho

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar