08/02/2006
Quem é Matrix? - Parte 1

Vamos “ouvir” a conversa entre Morfeu e o Neil do filme Matrix:
---Você acredita em destino Neil?
---Não! Porque não gosto da idéia de não poder controlar a minha vida.
---Há alguma coisa errada com o mundo. Você sente isso e não sabe o que é.
---É Matrix?
---Você quer saber o que é Matrix? Matrix está em toda a parte, está a nossa volta. Você a vê quando olha pela janela ou quando liga a televisão, você a sente quando vai trabalhar. Quando vai a igreja. Quando paga seus impostos. É o mundo que acredita ser real para que não perceba a verdade.
---Que verdade?
---Que você é um escravo, Neil! Como todo mundo, você nasceu em cativeiro. Nasceu numa prisão que não pode ver, sentir ou tocar. Uma prisão para sua mente. Infelizmente não se pode explicar o que é Matrix.
Já teve um sonho, Neil? Que parecesse realidade? E se não conseguisse acordar desse sonho como saberia a diferença do sonho e do mundo real?

Numa outra conversa e numa engenhosa ficção, os dois estão dentro de um programa de computador e o Neil com a mão numa poltrona pergunta para Morfeu:
---Isto não é real?
---O que é real? Como se define o que é real? Se você se refere ao que pode sentir, cheirar, provar e ver, então real são apenas sinais elétricos interpretados pelo seu cérebro.

Numa outra cena do filme temos Morfeu a dizer:
---Matrix é o sistema Neil. Esse sistema é nosso inimigo. E quando está lá dentro do sistema o que vê? Executivos, professores, advogados, carpinteiros, etc; as mentes das pessoas que estamos tentando salvar, mas, até que o façamos essas pessoas continuam sendo parte do sistema e isso as torna nossas inimigas. Deve entender que a maioria dessas pessoas não está pronta para ser “desplugada”. E muitas estão tão habituadas, tão irremediavelmente dependentes do sistema que irão lutar para protegê-lo.

Então, deixaram “abrir o jogo?” O filme não passou pela censura? Deveria, pelo menos seríamos protegidos de nós próprios com o peso do sabermos sermos marionetes. Explicado também está a omissão de muitos que, utilizam-se dos meios de comunicação, como, por exemplo, através de seus escritos, onde só fazem “media” e só obedecem as suas vaidades para se promoverem. Além de extravasarem suas vaidades, seus “ganha pão” são migalhas que o sistema lhes destina para se distraírem e distraírem outros de seus compromissos consigo mesmos. Por outro lado, se tentassem “abrir a mente” do povo, este, os consideraria como sendo desserviço contra o que lhes agrada. “Enxergando” de um outro ângulo, alguns até mais esclarecidos, por medo nada escrevem contra o sistema. O sistema permite o discorrer sobre seus efeitos, mas, jamais sobre as causas. Mesmo que alguém quisesse, encontraria por onde divulgar? Se encontrasse, saberia quem acusar? Se soubesse, teria coragem de delatar? Se delatasse, alguém escutaria para poder acreditar? Se escutassem e acreditassem, poderiam reagir e saberiam contra quem?


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar