08/02/2006
Foi Divertido

Numa ocasião, estávamos nós na Livraria Pensamento examinando os livros das prateleiras, vendo o entrar e sair de pessoas e sem poder evitar, ouvindo suas conversas. Alguma conversa forçava a gente a olhar e examinar as fisionomias de quem conversava sem se preocupar com quem ouvia. “Que pessoas esquisitas falando de impossibilidades com tanta convicção e suas fisionomias traduzem seus desequilíbrios”, pensamos nós sobre elas. Para brincarmos com o balconista daquela livraria, nós lhe perguntamos:
---É difícil agüentar esses loucos que aparecem por aqui?
---PQP todo dia é assim! Às vezes me envolvem nas verdades deles e eu sou obrigado a ouvir, ser atencioso, educado, tanta merda tenho que escutar para não perder meu emprego. Assim é todo dia, esotéricos, místicos, ocultistas, ufologistas, umbandistas, psicólogos, espíritas e a PQP.
---Ah, ah, ah! É o senhor tem razão. Ouvi a conversa de alguns e percebi seus delírios. Mas, o senhor também lê alguns livros daqui?
---O pior é que leio. Dizem que é preciso para melhor atendermos a clientela. Alguns até que são “mastigáveis” mas a maioria é de incucar.
---Se o senhor lê, já é um bom começo. Grande transformação está para acontecer.
---Como? Que transformação?
---Aquela que só eu posso promover. O senhor já deve ter ouvido dizer que a era de Cristo está chegando ao fim e outro irá substituí-lo, o Conde São Germam.
---É, o pior é que eu já ouvi sim, isso é outra loucura.
---Não, não é não! Eu sou a autêntica reencarnação dele e o senhor... por que o senhor abaixou a cabeça?
---... Por nada! O senhor me desculpe, estou com o serviço atrasado e...
--- Olha, todos livros daqui que tem o meu nome, eu os escrevi na minha última encarnação que durou mais de quinhentos anos e isso, o senhor e todo mundo sabe.
Mas por que o senhor não me escuta? Eu exijo!
---Por favor, eu estou muito ocupado. Se o senhor não for comprar nenhum livro, pode continuar olhando pelas estantes...
---Ah, ah, ah, que cara de assustado a tua. Pensei que o senhor já estivesse acostumado. Te peguei, eim?
---Pegou mesmo. Nem desconfiei que o senhor estava brincando, pensei que estivesse falando sério. Também pô, com esses cabelos brancos e esse “ar” de gente normal, isso engana qualquer um. Mas desculpe pelo tratamento que...
---Que nada! Foi boa a minha experiência de ver outra pessoa pensando que eu sou louco. Não é nada agradável. Mas, tomei o teu tempo e nenhum livro comprei.
---Tudo bem, volte sempre, estamos aqui para isso.
---Obrigado, foi um prazer e até uma próxima vez.
É, a vida é divertida quando brincamos com ela e às vezes as brincadeiras dão início a amizades, ficamos conhecidos por onde perambulamos e somos mais bem atendidos.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar