10/02/2006
Nuvem Escura

São incontáveis os pensamentos que perpassam pela nossa cabeça durante um dia. A maioria deles não prende nossa atenção e eles se dissipam. Não são nossas prioridades, não são sobre nossas obrigações diárias e então não nos detemos neles. Muitos pensamentos são recordações provocadas por estímulos externos. Ao ouvirmos um som, instantaneamente ele pode produzir no pensamento a lembrança de algo, de alguém ou uma qualquer situação do passado. Vindo de pessoas, objetos e quaisquer fatos acontecendo, tais estímulos visuais estimulam nossa memória e ela reproduz na nossa mente nossos fatos relacionados, parecidos ou coincidentes com o que nossa visão do momento está enxergando. Essas lembranças podem ser rápidas e saírem logo do pensamento ou ficarem nele por mais tempo antes que outros pensamentos venham substituí-las. Nossos outros três sentidos, tato, paladar e olfato, também servem de estímulo para provocar pensamentos outros.

As pessoas que “pulam” de um pensamento para outro sem se manterem num mesmo por muito tempo, elas têm uma vantagem sobre aquelas outras daquele viver sempre se repetindo nos mesmos pensamentos. As primeiras são mais dadas a falarem ou ouvirem diversidades de assuntos, enquanto as segundas, são mais dadas a se delongarem em poucos assuntos.
As primeiras parecem ser mais rápidas e as segundas mais lerdas no discorrer das conversas. Essa diferença entre pessoas mais se faz sentir quando algumas já com sanidade mental abalada, aonde forem levam o negativismo causado por seus poucos pensamentos e querem dispersá-los entre outros.
Permitir que, revolta, pessimismo e ódio dominem os pensamentos e com “paixão” por esses sentimentos “alimentá-los” sempre se lembrando deles, isso cria uma “nuvem escura” ao redor da cabeça. A tal da nuvem escura é uma simbologia usada para melhor se entender o significado das “formas-pensamentos”. Isto quer dizer “pensamentos carregados com muita emoção, sempre os mesmos se repetindo, como que, criando forma como uma nuvem escura rodeando a cabeça, impedindo a aproximação de pensamentos diferentes e só os da nuvem chegam até o cérebro, mantendo-o aprisionado nela”.

Pessoas assim, vítimas de seus próprios pensamentos, aqueles repletos de mágoas, dissabores, rancores, elas, tornam-se pessimistas. Na nossa presença, mesmo sorrindo elas conseguem “poluir” o ambiente com suas vibrações pesadas. Não é incomum alguém se sentir mal depois da presença de uma pessoa tão negativa que até se faz de vítima de sua sorte. Há casos de pessoas que brigam entre si quase sempre depois que uma outra se retirou, quando não, até discutem na presença dela, num nervosismo “inexplicável”.
Essas influências negativas existem mesmo? Existem defesas contra elas? E quando elas são provenientes de alguém de nossa família convivendo conosco, como evitá-las?
Dizem que a vida é a nossa escola, mas, neste problema talvez todos sejam repetentes e não mereçam seus diplomas.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar