22/02/2006
Eus Divididos

Ouspensky, o autor do livro “Tertium Organum” e outros, disse uma vez: “A ilusão de unidade ou uniformidade é criada, no homem, primeiro pela sensação do seu corpo físico, depois por seu nome que sempre é o mesmo e terceiro por uma multidão de hábitos mecânicos que nele são implantados pela educação ou adquiridos pela imitação. Tendo sempre as mesmas sensações físicas, ouvindo sempre o mesmo nome e notando em si, os mesmos hábitos e inclinações que tinha antes, ele acredita ser sempre o mesmo”.
Nós assistimos a vários filmes sobre pessoas que tinham duplas personalidades. “Psicose” de A Hitchcock foi um deles. O ator principal era uma pessoa quando atendia os clientes de seu motel de estrada e se transformava em outra quando os matava. Neste caso de dupla personalidade, o rapaz, inclusive com vestimenta feminina, se transformava na mãe quando como sendo ela, cometia os assassinatos Outros filmes mostraram também, pessoas possuindo múltiplas personalidades se sobrepondo nas próprias. Esses desvios de conduta fazem parte dos estudos da psicologia e terminam nos estudos da psiquiatria.
Mas nós somos felizes porque não temos esses problemas. Será mesmo que não temos?

Quantas vezes, já aconteceu de estarmos com alguém e com o entusiasmo da circunstância termos prometido repeti-la em outra ocasião? Porém, no dia prometido, como se fôssemos outra pessoa, não estamos com a mesma vontade de repetir a tão agradável circunstância. É como se uma nossa personalidade tivesse feito uma promessa, mas, uma outra atuando no momento de cumpri-la, tenta recusar. Isso cria um conflito interno naqueles que ainda possuem caráter. “Não quero ir, mas, e agora, eu prometi, tenho que ir”. E assim contra vontade, às vezes se vai onde não mais se quer ir porque no momento da promessa um estado de espírito assumiu um compromisso, mas, no dia dele, fica para outro estado de espírito assumir mesmo não sendo o que requer o tal estado de espírito diferente do outro que prometeu.
Alguns de caráter fraco nem comparecem e nem se desculpam de suas ausências de onde deveriam estar para pelo menos manterem suas palavras como dignas de crédito.

Existem também, aqueles que na nossa frente são uma “coisa” mas, quando a esposa está por perto, são outras coisas bem diferentes. Essa troca de personalidade faz pensar que eles são falsos. Não é sempre que nos querem como sempre nós somos. E nós temos que entendê-los pelas suas situações diferentes e também sermos diferentes quando eles querem, para mantermos a amizade numa hipocrisia escondendo o que somos.
Quem sempre está a exibir personalidades diferentes, uma para cada ocasião, principalmente quando pelas suas conveniências, deixa de ser autêntico. Múltiplas personalidades são para serem exibidas em palcos quando são profissões para atores. Mais feliz é aquele que sempre consegue manter sua personalidade. Entretanto, isso nem sempre é conveniente, porque, autenticidade está fora de moda.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada

Voltar