08/03/2006
Isolamento é solidão?

Esses dois termos, isolamento e solidão, não é incomum serem confundidos como sinônimos.
É possível viver isolado sem sentir solidão como também sentir solidão, mesmo não se vivendo isolado. Tem gente sempre rodeada por outros, se queixando de solidão e a mesma nem sempre é presente nos que por opção vivem isolados. Esses recebem críticas por terem perdido a ilusão de encontrar vantagens nas companhias humanas. Dizem deles e mesmo para eles: “Já morreram e esqueceram de enterrar”. E também “estão doentes e precisam de psicólogos”. Tudo porque os isolados não mais se misturam com o trivial da maioria. E a maioria requer cumplicidade para sentir segurança e apoio para seus atos de às vezes pouco pensados. O modo de viver “Maria vai com as outras” é a coqueluche destes tempos modernos. Quem não segue essa “regra” é considerado retrógrado. Mas essa regra é para quem não se suporta estando a sós com o próprio pensamento dissociado de valores, viciado a pensar igual como pensam os outros. Então, estar só é uma tortura e entendida como solidão. Distrações ao mesmo nível do pensamento tornam-se necessárias e elas são encontradas junto a outros coniventes com o mesmo comodismo existencial. O comodismo de viver das sensações produzidas por outros para quem é derrotado pela incapacidade de se isolar e auferir sensação própria, derivada do silêncio isento de influências insignificantes da massa.

Os apreciadores de seus isolamentos vivem com raros dissabores e decepções que afligem aqueles necessitados de constantes companhias humanas na busca de sensações. Sensações iguais alguns isolados já viveram e se as abandonaram, é porque entenderam-nas como inúteis ou mesmo indignas para um viver mais equilibrado livre de emoções infantis. Como vivem, estão menos sujeitos a ocupar suas mentes com fatos óbvios, no mais, eles sendo futilidades importantes para reinarem entre os desprotegidos do escudo que o isolamento proporciona.
Porém, muitos dos não isolados, carregam uma vantagem sobre os isolados. Não se sentem órfãos, pois, a mãe deles, a Mídia, tanto os adora e protege-os da solidão. Ela impede o sacrifício de viver e pensar por si mesmo; não permite o mal do querer sozinho conhecer-se; ela impede a estupidez da reflexão, esse vício pernicioso dos isolados; nunca ela deixa seus filhos sem assuntos que com eles esquecem seus próprios, pois, não mais são importantes mesmo.

Os auto-isolados pensam que são especiais. Além de egoístas são mal informados. Não gostam que interfiram em seus pensamentos, não gostam de ouvir o que é óbvio, não conversam sobre futebol e política então nem pensar. Perderam a felicidade de conversar com outros sobre outros que estão num mesmo evento. Não mais compartilham do prazer de saber da vida de outros, de como se trajam, de suas dívidas, de seus vícios e de quem anda com quem. Viver sem isso e tudo o mais é loucura.
Os isolados ficam distantes das alegrias da vida. Nada sabem das profundas emoções que surgem das tantas jogatinas existentes neste país. Alguns deles nem cerveja bebem e isso por si só torna-os indignos de conviverem como cidadãos comuns. Os isolados não costumam freqüentar religiões instituídas, pois, preferem viver em suas próprias. Mas quem são eles para sozinhos entenderem disso? Também, eles não participam do consumo que apaixona a massa e por isso são destituídos do amor dedicado a ela por tamanha contribuição financeira.
Isolamento não é solidão. Sua causa pode ter sido a perda de significado das convenções humanas, tão banalizadas como tão impostas atualmente. Camuflada a solidão é existente no entremeio das participações onde mais se vive copiando o viver dos outros. Num intermédio ela reaparece e nos faz se perguntar: “Por que estou aqui? Que estou fazendo aqui?” Como respostas a essas perguntas, alguns evitam o convívio humano constante.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar