22/03/2006
Abstração Sempre na Moda

Estamos habituados a viver sob sugestões como: compareça lá, seja como um de nós e etc. Nossa prerrogativa de direito da verdadeira democracia favorece-nos a contrariar o que nos é sugerido. Não existe obrigatoriedade para pertencermos a quaisquer facções tidas como provedoras do nosso bem estar psicológico ou espiritual. Lembrando, para o ser humano adquirir os seus valores e poder transpassá-los para outros, primeiro é preciso conceituá-los, compreendê-los e comprová-los. Na prática, só o que conceituamos são de utilidade. Nada do que ainda não conhecemos e vivenciamos, tem qualquer valor para nós, aliás, não nos existe porque, não podemos conceituar o que não conhecemos e não vivenciamos. Para que algo seja para nós, temos de entendê-lo, isto é, conceituá-lo para sua aplicação na vida. O que se imagina existir sem poder ser transferível para a compreensão igual de outros ou é para cada um mentalizar como quiser ou puder aquilo que se imagina existir, isso, é abstração.

No mundo, a abstração mais popular entre os seres humanos, deriva da palavra Deus. Como conceituá-lo?Alguém escreveu: “Deus é diferente para diferentes homens e para o mesmo homem em ocasiões diferentes”. Não é motivo para alguém se zangar quando ouve dizer que Deus é abstração. Basta provar que não é, conceituando-O de uma maneira irrefutável, igualmente realizável para todos.

Krishnamurti escreveu em seus livros estas frases:

“Nenhum livro nem instrutor pode apontar o desconhecido. Não precisamos depender de ninguém”.

“Percebo, também, que meu problema não é achar Deus porque não sei o que isso significa. Posso ter lido uma infinidade de livros sobre o mesmo assunto, mas esses livros são meramente explicações, palavras, teorias sem realidade alguma para a pessoa que nunca experimentou aquilo que está além da mente. E o intérprete, não importa quem seja ele, é sempre um traidor”.

Muitas outras abstrações são usadas por muita gente. Os amuletos, por exemplo, deveriam ter nome feminino como “as muletas” para os aleijados das realidades.
Enfim, neste mundo tão conturbado, viver com a realidade dele, sendo ela muito cruel para os utópicos do “algum dia virá à paz entre os homens de boa vontade”, enquanto ela não vem, as abstrações funcionam como bálsamo. Digamos, de passagem, algumas abstrações são tão atraentes, tão eloqüentes que nem mesmo um guru seria capaz de imaginá-las. Comparando abstração e realidade, qual é a melhor? A primeira é claro! Ela é mais simpática, mais contagiante. A segunda é desagradável, é um desmancha prazer e lucro. Ah! Mudando de assunto, meu pai de santo falou que me fizeram mal através de um despacho e para desfazê-lo preciso comprar alguns apetrechos para ofertar aos espíritos que vão me proteger. Depois retornamos.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar