04/04/2006
Para Despertar

“Nosso receio mais profundo não é o de que sejamos inadequados.
Nosso receio mais profundo é que o nosso poder não tem limites,
É a nossa luz, não a nossa sombra, que mais nos amedronta.
Nós nos perguntamos: quem sou eu para ser genial, grandioso, talentoso e admirável?
Na verdade, que é você para não o ser? Você é um filho de Deus.
Seu agir pequeno não serve ao mundo.
Não há nada de esclarecedor em se diminuir para que outras pessoas não se sintam inseguras perto de você.
Nós nascemos para tornar manifesta a glória de Deus que está em nós; ela está em cada um de nós!
E à medida que deixamos nossa luz brilhar, nós inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo.
E à medida que nós nos libertamos do nosso próprio medo, nossa presença automaticamente liberta as outras pessoas”.

Discurso de posse de Nelson Mandella – 1994


Esta foi direcionada para a “professora” que detrás da mureta dá sugestões tão gostosas. É leitora assídua deste jornal eletrônico de nível einstein-presidente-brasiável. Importante também, é que a sugestão seja extensiva aos diretores do jornal, senão, ficarão com ciúmes. Uma professora é uma autoridade em ensino, e quando domina bem uma matéria, a mesma, ela pode mandar outros praticá-la.
Quanto à matéria em questão, estamos a disposição para termos aulas práticas.

O discurso do Mandella deve ser do conhecimento de todas as professoras, mas, mesmo assim, com ele homenageamos você que nos prestigia. Sendo professora e se gosta de escrever, gostaríamos de tê-la como colaboradora, também porque, o da coluna “Reflexões e Devaneios” está pensando em desistir e será necessário substituí-lo, pelo menos, com temas mais populares.

Um abraço (só um)


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Carnaval e mulheres bonitas
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação
 » Recordar é reviver
 » O melhor amigo vai chegar
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar

Voltar