12/04/2006
Conexão Intelectual Autônoma

Mais nas conversas entre duas pessoas, não é incomum se destacar numa delas a falta de controle de seus pensamentos, culpados por sua impaciência em ouvir a outra. Muita gente mais dada a falar do que ouvir, sempre interrompe conversas para intercalarem nelas suas particularidades relativas, parecidas aos fatos que estão ouvindo. As interrupções quando muitas denotam egocentrismo em quem sempre interrompe uma conversa para demonstrar sua “importância” como tendo experiências do assunto em questão e relata as suas antes de ouvirem quem primeiro estava discutindo o assunto e ainda não o havia terminado. Essa falta de educação, “esse sempre eu primeiro e depois você continua” é uma falta de respeito para com outro, porém, em detrimento próprio. Quem muito mais fala do que ouve, além de se tornar antipático, ouve os assuntos repartidos por causa de suas interferências e ao repeti-los para outros sente dificuldade por não lhe ter prestado a devida atenção seqüencial. Maior atenção sobre si mesmo, esse sempre ser o foco da importância nas circunstâncias, impede uma mente aberta para auferir ganhos com exemplos de outros, que, se úteis, seriam comparatíveis numa necessidade.

Numa conversa atenciosa fluem pensamentos correlatos a ela para auxiliar nossa compreensão da mesma e para acompanhá-la. Pensamentos diferentes que possam fluir também, não tendo equivalência com a exigência do momento, rejeitados prontamente são repelidos. Os pensamentos, com certa naturalidade sempre estão invadindo nossa mente e se não houvesse uma conexão que “liga” os pensamentos convenientes ou específicos correspondentes com os fatos ou temas da conversa, ela seria prejudicada na sua objetividade. Dentre todos os nossos pensamentos que possam fluir num dado momento, um preferencial deve prevalecer para a circunstância. Para isso, espontânea e quase sempre instantânea, a subjetiva e sutil conexão existente entre os pensamentos, separam o mais adequado e apto para a circunstância. Quando permitimos divagar por pensamentos alheios diferentes dos exigidos pela circunstância, enfraquecemos o interesse da interlocução. Daí o precisar mudar de conversa é indisfarçável e pode desagradar quem a iniciou com a vontade de discutir sobre um assunto pensado importante para relatar.
Quando ouvimos algo inusitado e nada tendo na memória como referência para confrontação, a conexão existente entre os nossos pensamentos não consegue encontrar o que não tem, isto é, um pensamento para servir como comparação diante do ainda insólito para tentar entendê-lo. Sendo assim, quem mais tem acumulado registros mentais na memória, torna mais producente a capacidade da conexão entre os pensamentos. É mais passivo e receptivo nas conversas sem o inoportuno interromper igual daqueles ricos em pensamentos tão pobres que para seus confortos sempre interferem nos assuntos transformando-os em óbvios e triviais.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar