18/04/2006
Viver Deslocado

O ser humano tanto habituado a perder-se em seus pensamentos, distraído vive neles entendendo isso ser normal. Pouco vive onde está consciente de onde está, pois, mais seus pensamentos o deslocam para onde não está. Essa dupla existência (o corpo num lugar e o pensamento em outro) tão rotineira tornou-se imperceptível para que ele possa regular seu pensamento, atraí-lo para a consciência do momento onde o pensamento e o momento estejam afins, isto é, relativos entre si. Como sempre estamos sujeitos a nossa memória, ela nos separa dos “nossos agoras” levando nosso pensamento para agoras já existidos. É um devaneio nem sempre apropriado principalmente quando nosso pensamento deveria estar no agora donde de fato está a nossa existência física.

O controle do pensamento não é nada fácil. Às vezes já ao acordarmos, uma lembrança nos invade com quase a mesma intensidade de contrariedade causada de quando tomamos conhecimento de um fato indesejável e a lembrança dele nos encontrou desprevenido para refutá-lo do pensamento. Dependendo de quem viveu um fato indesejável, ele “gruda” mais no pensamento do que os seus fatos agradáveis, que, mais facilmente são esquecidos. Alguns, sem saber, têm alguma paixão por sofrimento e deixam seus fatos indesejáveis dominarem seus pensamentos. Nós a todo instante estamos convivendo com o passado e a memória para ela ser, só pode ser o passado. Que adianta rememorar fatos irreversíveis para somente implicarem em desajustes de nossos subseqüentes momentos, quando os momentos deveriam ser para o pensamento viver neles com o que eles nos trazem e não para se deter no “estou longe daqui” num fato lamentável que me ocorreu?

Mesmo um fato reversível, sempre adianta refletir sobre ele quando ainda não é o seu momento? Por que deixá-lo se intrometer em momentos alheios a ele? A nossa separação dos momentos presentes para os do passado não é um “passar o tempo” despercebido dele e de sua paz pela ausência de fatos indesejáveis, ele sendo a imperturbabilidade requerida para uma vida mais saudável e desejável? O se estar física e mentalmente onde de fato se está, obediente para a atualidade do momento em que se vive, tal comportamento consciente tornado habitual, é como um escudo protetor contra as lembranças invasoras do nosso pensamento, aquelas inoportunas e inconvenientes procedentes da memória, que, não compartilha com a pertinência ou exigência dos momentos para se manifestar e se impor como maior significado para desviar nossa atenção para as lembranças que ela, ---a memória--- nos trouxe. Mesmo quando um “viver deslocado” possa ser prejudicial, ele é acolhido por muitos daqueles que nunca estão contentes onde e como estão e com o pensamento procuram por derivações ausentes de seus momentos para preenchê-los com a memória de fatos alheios a eles. São fugas de quando instantes subseqüentes não trazem sensações e muitos sentem tédio, um mal-estar pela falta delas.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada

Voltar