09/05/2006
Imaginação

Nós quando vamos ao cinema e assistimos um filme, ele nos produz entretenimento. Concentrados assistindo as cenas que se desenrolam, somos envolvidos por elas. “Vivendo-as” nos esquecemos de nós mesmos. Nossa consciência receptiva ao filme, se introduz no seu enredo e nos abandona da lembrança sobre quem somos. Não lembramos ter um nome, não lembramos de quem somos e muito menos de quem com quem vivemos. Naqueles momentos, enquanto absortos no filme que “prendeu” nossa atenção esquecemos do que temos, do que queremos ter e do que queremos ser. Resumindo, durante a projeção de um filme interessante, mentalmente dirigido nele, não existimos para nós mesmos.

O que fazemos quando vamos ao cinema? Ficamos absorvendo produtos da imaginação de outros. Os produtores dos filmes não tendo os seus enredos baseados em fatos reais, no mais das vezes, os enredos são criações imaginativas de autores, cujos atores desempenham a função de protagonizarem suas histórias.
Nós apreciamos e elogiamos a capacidade de imaginação de outros, aceitamos e as revivemos naturalmente sem desmerecê-la por ser irreal e somente imaginação.
Todos nós possuímos a capacidade de imaginar, mas, preferimos viver da imaginação dos outros. Quem tem a capacidade de imaginar também tem a capacidade de criar. Alguns inventos surgiram por coincidência, mas, a maioria deles, primeiro foram criações da imaginação para depois serem concretizados.

Na vida real, assistimos muitos fatos se sucedendo e alguns mais que outros, ocupam mais tempo na nossa mente por nos serem mais importantes ou emocionantes. Porém, os fatos depois de já terem existido e sendo do passado, mesmo terem sido objetivos, reais, quando recordados podem ser entendidos como sendo parte do processo de funcionamento da imaginação. Fatos reais já sendo do passado podem ser imaginados de um modo diferente, modificados em seus efeitos como gostaríamos que tivessem sido, embora seja impossível retroagir neles e alterar seus efeitos. Fatos reais que já existiram, quando perpassam pela nossa mente, eles têm realce ou “evidência autêntica” igual a qualquer fato inexistente apenas imaginado. Em outras palavras, fatos existidos e depois só tendo existência como lembrança, eles passam a ser da mesma categoria dos fatos fictícios criados pela mente, isto é, ambos não existem no presente, com a diferença que um deles já existiu no passado e o outro nunca. Entretanto, a imaginação pode “recriar” na mente um fato não existido, bem como, um existido.

“O cinema é uma indústria de sonhos para quem não consegue sonhar sozinho”. Ao ler essa frase, o que mais chamou à atenção, foi a verdade sobre nossa pouca dedicação à imaginação para termos nossos próprios sonhos. Diferente das fantasias mentais, a imaginação é um “sonhar acordado” com a vantagem de poder controlar e selecionar as imagens do início ao fim. Existe a possibilidade ---alguns até ensinam como--- de nossas imaginações criativas serem materializadas no mundo real, isso, quando não forem inviáveis ou impossíveis. Muitas coisas úteis, primeiro foram imaginadas para depois serem realidades. É isso aí. A imaginação pode afastar a monotonia do só viver com tudo que já foi imaginado, e por outros.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar