09/05/2006
Passatempo

O mundo ficou pequeno para aqueles que querem apenas viver.

Nossa sobrevivência tem a rígida dependência do que a sociedade dita.

Visitas são um meio agradável ou desagradável de interrompermos nossos dias.

A fé sendo para pessoas simples não é para as cultas desacreditadas das impossibilidades que as pessoas simples acreditam.

Nossa velhice é como um cinema que com prazer tiraríamos muita gente do enredo do filme que foi a nossa vida.

Diante do que temos não pensamos na morte porque ela desmente o que temos.

Somos uma máquina ininterrupta de pensar e nos esquecemos que não sabemos e nem conseguimos não pensar.

São os pensamentos que criam nossos apegos nesta estadia por aqui e nosso apego a eles é que nos faz temer a morte porque nela eles deixam de ser e nós só somos eles.

As músicas são colagem na nostalgia do passado sem tirar cópias porque seriam inconseqüentes com o diferente do presente.

O tempo que não para só parece parar quando temos contratempo.

A solidão é o melhor remédio contra a doença do vazio dos outros a nos contaminar.

A necessidade de notoriedade acusa o nosso descontento pelo si mesmo se notar, quando, precisamos dos outros para nos notar.

Viver na tristeza da realidade ou viver na alegria das ilusões não seria a mesma coisa?

O passado só começa com o nosso nascer e o futuro só chega até o nosso morrer quando voltaremos a ser igual ao antes de nascer, nada em qualquer presente.

Enquanto Deus for somente palavra nenhuma palavra lhe dará existência.

A carência ou vício humano de só exteriorizar o que é óbvio provoca nos outros não óbvios o perceber da vantagem de ser surdo.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar