09/06/2006
A Psique Humana – Parte 12

Na parte onze deste tema, onde brevemente diferenciamos a vida individual da VIDA global, esta, nós a entendemos como tendo o mesmo significado da “vontade” do livro “O Mundo Como Vontade e Representação” de Schopenhauer. A VIDA ou “vontade”, desde o primórdio da existência dela ainda como microrganismo, passou por inúmeras transformações e em todas suas adaptações ambientais esteve progredindo para a evolução no homem. Todas as lentas mutações fisiológicas, sempre foram inconscientes para ele.Toda transmutação que lhe ocorreu, foi ocasionada por um poder superior, independente e transcendente para a consciência humana. Alheio ao homem, esse poder magnânimo é denominado como sendo VIDA. Também entendida como “energia” dando vida aos corpos orgânicos, ainda é um mistério como ela é em si mesma, antes de se manifestar através de seus efeitos, sendo eles, as criaturas que somos.

Temos assim o ser humano aprimorado com as mudanças sucessivas na sua existência, provocada nele pelo tempo percorrido por ela, dentre as adaptações que foram sendo necessárias para seu viver conciliável com as novas condições de existência que foram surgindo, cada vez mais complexas. O ser humano convive com as transformações das energias da natureza que lhe são conhecidas, aplicando-as como aprendeu e como pode, nas invenções e instrumentações físicas, tendo em vista ampliar os seus insuficientes recursos de intervenção, modificação, estruturação e multiplicação no e do seu mundo material.

Entretanto, o ser humano também convive ladeado, transpassado por energias (vibrações) de tão altas freqüências que seus sentidos não acusam. Despercebido delas, se por elas bem ou mal é afetado ou não, ele apenas pode desconfiar.A energia transmutada da alimentação para manter sua saúde, independente dele executa suas funções sem ele se preocupar com a existência dela. Indiferente e depreciador de suas energias interiores, como, também das externas cujas propagações lhes são ignoradas, assim é o homem se ignorando em seu habitat. Melhor assim do que viver iludido com as hipóteses absurdas sobre essas energias, como, poder controlá-las e adquirir um “poder sobrenatural” com elas.

Se em sua vida o homem mais se preocupasse com o expandir de sua consciência, as realidades sobre a VIDA, paulatinamente poderiam ser-lhes reveladas com verdades e valores sempre concomitantes com o nível em expansão da sua consciência. Deixaria de conviver com as superstições promulgadas e tornadas próprias desse seu nível atual de consciência aprisionado por tradições inverídicas.A VIDA manifesta em nossa vida nunca é estática. Sendo-nos desconhecida em seus propósitos e atribuições, independente de nossa percepção ou aprovação, prossegue em suas transformações lentas e ininterruptas como desde o princípio de quando das bactérias ou microrganismos, nos transformou em seres humanos “conscientes” como agora somos.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar