21/08/2006
A Psique Humana – Parte 20

A maioria das pessoas mais é dada a se dedicarem aos costumes e imitações vigentes. Suas buscas para atenderem seus lados espirituais sempre terminam naquele “todos precisam ter uma religião”. Suas religiões são aquelas de semanalmente comparecerem em locais onde participam de rituais e ouvem sermões, como também, no lar, praticam orações. Muitos, sendo indiferentes para as religiões, mais preferem viver uma vida material e despreocupada com seus lados espirituais. Entretanto, uma minoria desacredita que as religiões possam atender seus anseios por uma evolução que a possa levar a uma melhor compreensão do que seja a vida. Essa minoria é aquela que adentra em outras organizações; as filosóficas, as esotéricas, as místicas, as ciências ocultas, as teosóficas e várias outras com a mesma pretensão de promover desenvolvimentos mentais, psíquicos ou espirituais em seus adeptos. Essa minoria ---são milhares--- adentra nessas organizações onde cada um “fica sabendo que é um escolhido” para obter as evoluções mentais, psíquicas ou espirituais, que, não são para todos. Os demais que não se preocupam com suas evoluções são considerados profanos, incluindo os religiosos que nada estudam e estão a escutar as mesmas e repetidas histórias de um passado longínquo. E mais, os religiosos são condicionados a se entregarem às entidades de seus cultos para eles sanarem seus problemas, muitos dos quais lhes são pertinentes saná-los. São movidos pela fé e acreditam que suas vidas estão sendo vigiadas por uma entidade invisível que, pode castigar, perdoar ou recompensar quem tenha merecimento pela obediência dos dogmas religiosos. Assim, os religiosos são sugestionados a se entregarem a um poder externo e se descuidam de desenvolver os próprios, internos, aqueles que aquelas organizações afirmam existir em todos. Ideais diferentes sempre existiram provocando incompatibilidades entre as pessoas, separando-as em grupos, às vezes, antagônicos entre si e quando não, é mais comum o desprezo entre eles, sobretudo, quando, cada grupo considera seus ideais superiores aos dos outros.

Voltando àqueles cujos anseios os levam a serem “iniciados” nos métodos que, os aprofundam nos segredos da vida, em seus mistérios, seus conhecimentos e suas “verdades ocultas para os profanos”, muitos deles, sem desconfiarem já ter propensão para a esquizofrenia, nas organizações “especialistas em promover evolução” é onde, com o passar do tempo, suas tendências anormais mais podem ser evidenciadas e ampliadas. Claro, se esquecem de manter os “pés no chão” e se aventuram pelas utopias muito bem elaboradas pelas “tão sérias” instituições ou organizações a que pertencem. Muitos casos de delírios já foram constatados nos “escolhidos” ou “preferidos” que estão na vanguarda da evolução da espécie humana. Os que não morreram loucos estão por ai sofrendo “perseguições psíquicas” do mundo do além e pressentindo inimigos até nos mais amigos, tudo, para “propositalmente” dificultarem suas evoluções e para fazê-los abandonar suas sendas.Algumas pessoas e não poucas, providas com capacidades invejáveis de liderança, inteligência e de criatividade, poderiam ter sido mais úteis para a sociedade ou, pelo menos, para si mesmas e para suas famílias, mas não, suas ambições psicológicas levaram-nas para o não exeqüível da existência. Pelo fim de suas vidas, vemo-las amarguradas com o sentimento de terem sido enganadas. Quase nada de seus anseios se realizaram a não ser a vaidade de possuir maior “conhecimento”, mesmo, não tendo o poder de utilizá-los. Os anos de só viverem “pisando nas nuvens”, são desmentidos pelas organizações quando elas culpam seus membros pelos próprios fracassos ou, por eles ainda não terem “merecimento” pelo que almejavam. Desculpa conveniente. E assim os “escolhidos” sempre se renovam com o surgimento de outros e, os mais antigos duma mesma organização, proibidos às vezes por juramento, são impedidos de revelarem seus “segredos” aprendidos para os mais novos, pois, ainda são prematuros para eles. Dissuadi-los então, é perda de tempo, pois, para os ainda iludidos, os mais antigos se não são “iluminados” como deveriam ser, é porque não tiveram capacidade de assimilar e praticar os ensinamentos que a organização prescreveu, o que, não irá acontecer com eles, e com isso, a mesma história sempre se repete.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar