23/10/2006
Escola é o Existir

O mundo a nossa volta constantemente oferecendo estímulos para a nossa recepção, percepção e consideração, interioriza-se no nosso mundo particular para ser compreendido ao nível de nossa consciência. O mundo, ele é como é conforme seus estímulos se traduzam para nós, ao nível de como nossa consciência possa traduzi-los. Os estímulos nos causam sensações e elas são os efeitos dos estímulos que foram suas causas. Portanto, as realidades do mundo sempre estão conforme sejam as nossas sensações e elas estão ao nível de como nossa consciência traduz os estímulos a que estamos expostos. Nossa “realidade” da existência é sempre como nossas sensações se formam, resultantes do que os estímulos provocam. Nossas realidades são o que nossas sensações traduzem para o nosso sentimento e compreensão, independentes das realidades dos outros em que os mesmos estímulos possam provocar sensações diferentes e, concomitantemente, sentimento e compreensão diferente.Enquanto muitos estão mais sujeitos a sensações provenientes de estímulos mundanos, inferiores, outros preferem se expor a estímulos mais elevados, direcionados para se efetuarem em sensações, aquelas que interessam ao desenvolvimento da consciência. Este fato revela a verdade de que a igualdade humana é uma utopia, a não ser, aquela discutida e exigida “igualdade de direitos” como justiça para todos nascidos e existentes num mesmo país.

Somos mais condicionados com os estímulos que provocam reações ou sensações nos nossos instintos e emoções. Mais comum é evitarmos os estímulos que mais estão para a nossa razão do que para os nossos instintos e emoções. Os estímulos provocando sensação na razão ou consciência, ela requer reflexões para conceituar a sensação, mas, nós, nem sempre “temos tempo” para isso. Mais aceitáveis são os estímulos que causam sensações nos nossos instintos e emoções, pois, essas sensações sendo para o agrado do corpo, elas não exigem reflexões e são mais fáceis de existencializá-las. Contudo, o procurar por estímulos que causem impressões na razão, isso a habilita com o poder de melhor exercer o equilíbrio nas circunstâncias quando, nossos instintos e emoções, por exagero possam nos prejudicar. Como dizem da vida, ela é uma escola, mas, nem todos sentem apreciação pelos ensinamentos dela. Os mais sujeitos aos instintos e emoções, aprendem menos da escola da vida se, comparados com outros mais sujeitos pela razão.

Explicação: Este tema, pertencente a um programa de rádio, além de muito resumido aqui, ao transcrevê-lo para este jornal, ele perdeu muito do seu conteúdo. Então, não citamos a data daquele programa porque, seria uma incoerência. Outros assuntos “levados ao ar” através de duas estações de rádio da cidade de Caieiras, também foram resumidos ao transcrevê-los aqui, porém, seus conteúdos foram mantidos, por isso, suas datas foram citadas.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar