11/12/2006
Somos Apenas Eventuais – Parte 1

Já disseram que a vida apenas é momentos existentes no tempo. E o tempo de cada um é o período do nascer ao morrer. Entre o nascer e o morrer nós nos vamos programando, isto é, nos vamos condicionando conforme sejam nossas hereditariedades, nosso convívio familiar e muito pelas influências externas do ambiente onde nascemos, condicionados só pelo mesmo se nele permanecermos até o fim da vida ou pelos outros ambientes onde possamos nos mudar para morar. Quando pensamos sobre quem nós somos, primeiro pode aparecer na mente o local onde estamos e moramos. Em seqüência, nos vemos como sentimos que somos entre nossos familiares, parentes, amigos e todos os conhecidos dos nossos relacionamentos amistosos. Nos vemos em nossos entretenimentos preferidos, nos vemos na profissão ou trabalho que exercemos perante a sociedade, nos vemos na nossa religião se tivermos uma e, tudo isso e mais, corrobora para a constituição de nossa personalidade assim percebida por nós mesmos, como também, possa igual ou parecida ou, como queiram, ser percebida por outros.

Nós vivemos nas personalidades que as subseqüentes circunstâncias nos criaram. Nosso modo de expressar opiniões sobre o certo ou errado, o bom e o ruim, o bem e o mal, está incutido no que determina a formação de nossa personalidade. Lembrando, na personalidade que se formou devido ao condicionamento pelo seu local de nascimento, pelo seu condicionamento familiar, ambiental e, pelas influências externas, como, estudos, profissão, religião, informações jornalísticas, radiofônicas, televisadas e outras. Então, muito mais que nossas hereditariedades, nossas personalidades são os “frutos” do meio em que vivem e o meio é quem dita as suas verdades, direciona o nosso costume, comportamentos, opiniões e o nosso padrão para “ver” e viver a vida. Diante de tudo isso, somos o que somos sem percebermos que o que somos, assim nos constituímos mais por circunstâncias alheias à nossa individualidade. Neste fato, o homem quando pensa em quem e como ele é, nem imagina que, o poder das circunstâncias é que é o que e como ele é, não só sendo ele mesmo que por si mesmo chegou a ser o que é e como é.

Nascendo e morando numa cidade qualquer de um país, associando-se a seus padrões vigentes de vida e as suas tradições, um homem pode criar para si, suas convicções de moral, política, religião e tudo o mais que esteja de acordo com o que a sua consciência aceita como razoável para seu estilo de vida. Não seria incomum tal homem repudiar os costumes, a moral, as tradições e as religiões de outros povos, como sendo irracionais para um bom método de vida. Se for democrático o país onde ele vive e sua religião dominante for cristã, nunca tendo estudado ou vivido sob o jugo de outros regimes e nem sob o jugo de outras religiões, o homem poderia considerar o regime de seu país e sua religião dominante como sendo mais coerentes. Isso, devido ao condicionamento que as circunstâncias lhes impuseram até então e ele as tenha acatado sem esgueirar-se das sugestões ou influências que, redundaram no promover de seu paradigma de vida da cidade e do país onde vive. Escapar dessa situação de “mente restrita”, mesmo muito se querendo, não é fácil e não é para qualquer um.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar