02/06/2008
Ser sucinto


O aforismo e a sentença são formas de eternidade; meu orgulho consiste em dizer em poucas palavras o que outros dizem em um ou mais volumes (Nietzsche).

Transportando essa frase para o cotidiano dos relacionamentos humanos, nem sempre temos paciência para ouvir pessoas que se estendem demais em seus assuntos. É aborrecedor quando elas, por demais detalhistas, perdem e tomam nosso tempo tentando ilustrar um fato com vários exemplos para facilitar a nossa compreensão. Parecem pensar sermos ignorantes e necessitados de exemplos comparativos para compreender o que estão expondo. Nem sempre! Esses às vezes apelidados de “boca-mole” transformam em tortura alguns momentos quando por educação somos obrigados a ouvi-los mesmo depois de desde o início do assunto já sabermos do que se trata. Suas falta de objetividade irrita! É, o Nietzsche estava certo, normais com normais são sucintos em suas exposições verbais.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube

Voltar