02/06/2008
Ser sucinto


O aforismo e a sentença são formas de eternidade; meu orgulho consiste em dizer em poucas palavras o que outros dizem em um ou mais volumes (Nietzsche).

Transportando essa frase para o cotidiano dos relacionamentos humanos, nem sempre temos paciência para ouvir pessoas que se estendem demais em seus assuntos. É aborrecedor quando elas, por demais detalhistas, perdem e tomam nosso tempo tentando ilustrar um fato com vários exemplos para facilitar a nossa compreensão. Parecem pensar sermos ignorantes e necessitados de exemplos comparativos para compreender o que estão expondo. Nem sempre! Esses às vezes apelidados de “boca-mole” transformam em tortura alguns momentos quando por educação somos obrigados a ouvi-los mesmo depois de desde o início do assunto já sabermos do que se trata. Suas falta de objetividade irrita! É, o Nietzsche estava certo, normais com normais são sucintos em suas exposições verbais.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar