29/06/2008
Nada saber é o nosso saber "To be or not To be"

Nada Saber é o Nosso Saber

Por que estamos aqui?
De onde viemos?
Para onde vamos?
Com certeza somos incertezas.
Não pensamos em quando viemos
Pensamos em quando formos.
Antes nada éramos
Depois nada seremos
Antes de sermos o mundo já era
Nós sendo o mundo é
Não mais sendo só o mundo será.
Enquanto o mundo sempre é
Nós somos apenas períodos nele.
Terminados nós nos desfazemos.
O mundo é continuidade infinda
A nossa é de duração finita.
Nós não estávamos e o mundo já estava
Enquanto estamos ele também está
Quando formos ele continuará,
Realidade é o mundo ou somos nós?
O mundo é realidade
Ele sobrevive sem nós
Sem ele nós não vivemos.
Nós estamos apenas no tempo
O tempo nos desvanece
Não o mundo que permanece.
Temos a certeza da morte
Criamos incertezas para depois dela
São antídotos que inventamos
Contra a nossa interrupção
Almejando uma continuação.
Fomos infantis jovens e velhos
Tudo a caminho da desagregação
Quando deixamos nossas agregações.
Com elas nós vivemos
Sem elas nós morremos.
Falam em aproveitar a vida
Vivendo por seus prazeres
Eles se vão como os momentos
E logo deixam de ser nossos.
Os prazeres se ficam na memória
Não mais são prazeres, são lembranças.
Sentimos o tempo passar
Não querendo no último dia chegar
Ele chega sem avisar
E nos tornamos história
Para poucos lembrarem
Antes de sermos esquecidos.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação
 » Recordar é reviver
 » O melhor amigo vai chegar
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados

Voltar