12/11/2008
IV Pensamento...

Às vezes uma paz me está sendo eu a vivenciá-la quando a natureza parece estar parada e quieta como também o pensamento deixa de ser irrequieto quando a memória se ausenta sendo uma pausa para lembranças inoportunas com que ela mesma indesejada sempre está a me invadir e com isso me dividir ou me distrair entre pensamentos com que as lembranças provocam e elas são do passado para interferir no presente e este distraído de si divaga pelo que já é acontecido e isso sempre se sobrepõe aos momentos ausentes de acontecimentos com os quais e só com esses se sente à paz e só com ela se estando livre de desejos e de sensações se realça o si mesmo se percebendo e percebendo a vida pura como ela é independente de significados sobrepujando tudo o que existe enquanto ela me existe e nesse transcorrer mais importante é a paz no viver.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado

Voltar