12/11/2008
IV Pensamento...

Às vezes uma paz me está sendo eu a vivenciá-la quando a natureza parece estar parada e quieta como também o pensamento deixa de ser irrequieto quando a memória se ausenta sendo uma pausa para lembranças inoportunas com que ela mesma indesejada sempre está a me invadir e com isso me dividir ou me distrair entre pensamentos com que as lembranças provocam e elas são do passado para interferir no presente e este distraído de si divaga pelo que já é acontecido e isso sempre se sobrepõe aos momentos ausentes de acontecimentos com os quais e só com esses se sente à paz e só com ela se estando livre de desejos e de sensações se realça o si mesmo se percebendo e percebendo a vida pura como ela é independente de significados sobrepujando tudo o que existe enquanto ela me existe e nesse transcorrer mais importante é a paz no viver.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar