29/06/2009
Crônica desagradável

A mental evolução humana se encontra estancada e continuamente se deteriorando sob o jugo das difusões da mídia. Esta, poderosa em substituir valores por aberrações encontra cumplicidade e expansão nos infelizes desprovidos de discernimento, estes, já constituídos em maioria. A mídia divulga contratos milionários de apresentadores de programas televisionados elevando-os como deuses do entretenimento e formadores de opiniões. De fato, tais programas são atraentes para os desestruturados intelectuais. Esses são acessíveis a tal hipnose coletiva enquanto ela psicologicamente lhes instala suas subordinações a ela. Membros de uma mesma família deixam de ser família nos decursos desses programas diários ou semanais. A preferência fica por conta da absorção das idiotices promulgadas. Num exagero, uma conversa de boteco entre embriagados talvez já seja mais interessante do que assistir a esses programas onde a cretinice prepondera. Quem já estava por aqui neste mundinho antes do advento da televisão assistiu as transformações da humanidade devido a ela. Instrumento de influência, costumeiramente está nas mãos de inadvertidos contrários ao bem alheio. Neste país, influenciados e influenciadores, na deturpação de suas consciências igualam-se. Se Deus fosse influente como tanto é a mídia, este mundo seria um paraíso.




Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação
 » Recordar é reviver
 » O melhor amigo vai chegar
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados

Voltar