16/11/2009
Iguais até o fim

Longa fase da vida é o ficar exposto às necessidades que ela impõe como suprir o sustento da família, moradia, educação para os filhos e etc. Nesse longo período de vida o homem entretém na mente tudo o que é pertinente à suas realizações. Contudo, se condiciona a isso e na velhice poucos conseguem se descondicionar, desconciliar suas mentes das realizações obtidas no passado, período em que elas lhes eram mais prementes. Na idade bem avançada o homem “no quem e no como é” ele se vê sendo o que possui ou não, e, na extensão dos seus familiares a partir dele. Mesmo com a morte por perto, ele ainda se pensa dono de tudo o que lhe pertence. O mais comum é ouvi-lo expondo suas ainda importâncias existenciais incompatíveis com a sua situação atual. Demonstrando já muita exaurida suas energias vitais, mesmo assim, permanece ele conectado com fatos e feitos, alheios à necessidade e importância de sua condição atual a caminho do final. Todos chegarão a essa circunstância, contudo, só os mais esclarecidos poderão aliviar suas mentes dessa carga inútil de fatos, de posses e mesmo de desejos, cujas preocupações não condizem com suas maturidades ultrapassadas. Estes, optando na alternativa para suas reflexões, mais do que outros sentirão o fluir da vida dando assim, menos chance ao surgimento dos desagrados.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Carnaval e mulheres bonitas
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação
 » Recordar é reviver
 » O melhor amigo vai chegar
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar

Voltar