14/06/2010
Onde estão as crianças?

Por que não mais se vê crianças pelas ruas? Antigamente elas estavam em todos os lugares. Brincavam na rua, jogavam bola, rodavam pião, jogavam bolinhas de gude, empinavam papagaio no morro, nadavam em lagoa, colhiam amoras silvestres na mata, pinhão. Crianças iam para as suas mães no armazém. Levar marmita para seus pais no trabalho deles. Sozinhas iam pra escola e na saída, aqueles alaridos ressoavam por todos os lugares por onde passavam de volta para suas casas. Depois, o restante do dia estava à disposição delas para poderem brincar. Já há quem escreveu que hoje as crianças com dez anos já são velhas. Sim, são receptivas, estão sujeitas a muitas informações que não condizem com suas idades. Hoje existem mães exageradas no cuidado com seus filhos: “não fique descalço, não fique no vento, não fique na chuva” e outras coisas que elas proíbem para seus filhos. Nos bons tempos mais as crianças ficavam descalças. Às vezes chutavam pedra e voltavam pra casa com o dedo do pé sangrando, ou, caiam e ai eram os joelhos que se machucavam. E daí? No dia seguinte já estavam prontas pra outras proezas iguais. Que pena, as crianças desta época não têm infância. Hoje, crianças têm essa coisa chamada de vídeo game. Que bom, ficam horas e horas entretidas nisso e muitas mamães ficam felizes aos vê-las sendo condicionadas assim, aprisionadas em casa e livres dos perigos existentes nas ruas. Crianças perderam seus espaços pelo contato com a natureza e tem aquelas que nunca viram uma bananeira. Nunca viram filhotes de pássaros em seus ninhos e outras coisas que mais corroboram para o despertar de suas sensibilidades.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado

Voltar