19/09/2010
Liberdade prisioneira

E você é livre? É nada! Vive amedrontado até em sua própria casa. Desconfia de qualquer um que encontra na rua. Neste mundo em que “todos são filhos de Deus” e entre eles uma quantidade enorme é bandida, quem é livre? Todas as instituições, inclusive as religiosas falharam ao conter os impulsos satânicos de muitos seres humanos desta época tida como diabólica. Só não enxerga quem não quer. Dentre o povo, sua maioria se encontra perdida e incomunicável entre si diante de tantas distrações “fabricadas” pela mídia. Tais distrações ou distorções ai estão apenas para embrutecer o povo. Este, coitadinho, se adéqua a qualquer costume que é sugerido. Num país muito movido a cerveja e futebol o resultado é visível e nada surpreendente. Conseguiram destruir a capacidade de se indignar com as aberrações humanas. Estas estão por todos os lados, agora toleradas e às vezes até aceitas como normais. O animalzinho chamado homem, ele desde que nasce é programado sem saber. Sua programação já começa na família onde é programado por quem já é. Depois, a sociedade completa sua programação. É quando o vemos sendo mais ou menos igual a todos e sendo parte da massa de manobras. Coitado daquele que conseguir se desprogramar. Esse seria um infeliz. Ver-se-ia entre tantos ignorantes, inclusive seus próprios familiares. Seria mais um dos considerados esquisitos sem ser. Esse acordar do pesadelo da programação, essa libertação talvez seja a tal de iluminação que, sem dúvida é para poucos. Resumindo, quase mais ninguém se é. Todos mais são pelo “o que se é dos outros e estes de outros”. Com a liberdade de ser prisioneiro das comunicações, principalmente das inúteis, com elas mais o povo convive com o que não se relaciona com as necessidades de sua vida. Filtrar o que interessa já se tornou ficção. Entretanto, para aqueles com cérebros desusados devemos sentir orgulho, pois, para eleições são bem preparados.


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar