11/08/2011
O desumanizar

O desumanizar

Nesta nossa época tão progressista sem racista, sem otimista, sem idealista, sem político altruísta, pra vivermos temos que ser artista e tapar a vista. É verdade, a tecnologia desumaniza a humanidade e ela merece piedade. Automóvel, televisão, telefone celular e computador estão dando o que falar, ao invés de nos reunir, sendo tudo a nos desaproximar, isso será de lamentar. Hoje se conversa com as pessoas à distância quase em qualquer circunstância ficando pra segundo plano o tão já desnecessário calor humano. Agora o mundo está mais propenso à anarquia e ela destroçou com a filosofia. Quem ainda se orienta por ela neste presente tem que conviver com muitos que parecem dementes, mesmo, sendo conhecidos e parentes. Ainda temos estudos de filosofia para a evolução, temos fraternidades místicas, filantrópicas, esotéricas, espirituais e etc. Quase sem dúvida alguma, diante de como está o mundo parece que não servem pra porra nenhuma. Antigamente os “mestres” se comunicavam por telepatia, essa “conversa” doentia não saia do lugar porque a cabeça não era um telefone celular. Tentavam a transmissão de pensamento e hoje ainda têm alunos de “escola de ocultismo” que com isso se compromete. Devem ser burros, pois, é muito mais fácil e eficaz pela internet. Sem qualquer demagogia, muitas coisas que eram consideradas milagres ou magia, hoje são reais pela tecnologia. Ela só não é do escopo de fazer o espírito sair do corpo numa projeção astral, pois, isso é um conceito mental que se faz perceber naqueles iludidos em querer ter poder. Esses que se julgam ser mais esperto até irrita tê-los por perto. Mas, de fato a tecnologia está dia a dia a separar gente de gente e isso não é apenas um relato, trata-se aqui de uma observação decente. A maioria se acomoda nessa parafernália da moda como hoje se demonstra quando quase mais ninguém se encontra. Hoje o mais é só de tudo assistir sem se importar com outros que estão a existir. E que não venham perturbar porque falta paciência com os amigos e parentes todos agora sem graça, substituídos que foram pela tecnologia da ciência.

                                                                                                 Altino Olympio


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar