15/08/2011
Jardim da infância para adultos

Jardim da infância para adultos

Está havendo necessidade para algumas pessoas voltarem a freqüentar o aprendizado no Jardim de Infância ou, para elas criar um Jardim de Adultos. Seria para saberem se comportar numa conversa. Pois, elas se utilizam de palavras inapropriadas e com exaltação indevida. Viciadas em interromper conversa elas são bem equipadas com a lei dos opostos no dizer “eu adoro isso ou eu odeio isso”. Se o assunto é sobre alimentos o “eu adoro ou odeio isso” é um exagero. Como se pode adorar ou odiar um alimento? Podemos gostar ou não dele. Pra que esses extremos ao opinar sobre ele?  Eu adoro, eu amo, eu odeio. Pra outras coisas também, essas mesmas explanações são utilizadas mesmo quando para elas não há como sentir esses “eu amo, eu adoro, eu odeio”. Percebemos em pessoas vazias suas empolgações por trivialidades por lhes faltar as importâncias com que deveriam conviver. Entretanto, se julgam importantes em seus “eu amo, eu adoro, eu odeio” como se fossem donas das verdades e como se o mundo estivesse concordando com elas. Isso é bem notório em suas ênfases pelo pronome “eu” nas suas exteriorizações “eu sou, eu faço, eu não gosto, eu gosto, eu discordo, eu tenho, eu falei, eu mandei” e etc. Essa comprovação de egocentrismo demonstra a incapacidade humana de não se notar quando se expõe a ridículos, embora, entre os iguais isso não transpareça. Mas, como é fantástico quando conversamos com alguém e o mundo fica esperando para transmitir ao universo o interromper dele com o “isso eu amo, eu adoro, ou, isso eu odeio”. Essas frases curtas estão mesmo a comprovar como os seres humanos são importantes. Coitadinho do mundo se eles se calassem. Ele ficaria sem conhecer esses sentimentos que, como tal, o faz permanecer.

                                                                                               Altino Olympio


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar