30/08/2011
Por fogo na brasa

Por fogo na brasa

Como início, como começo, como princípio, como partida vamos a uma frase do escritor da boca ferina Truman Capote: “Só direi que não sou feliz. Só os imbecis ou idiotas são felizes”. Caramba, o homem “pegava” pesado. Pensando bem, a frase não teria algum fundamento? Nós no passado não notamos que algumas pessoas se consideravam as tais? Isto é, melhores, superiores a outras e num indisfarçável desprezo por elas? Sim, foram mais favorecidas pela sorte, elas usufruíam mais conforto, mais facilidade para instrução e outras vantagens. Tudo parecia um mar de rosas e o destino parecia ser amigo delas. Mas, mas, mas... O tempo, só porque a mãe dele era funcionária na zona, ele resolveu descarregar sua decepção nas criaturas inocentes. Aqueles tais que ainda se julgavam os tais parecem ter sido os mais afetados. Doenças várias que deveriam ser só para os “simples” também vieram visitá-los, filhos os decepcionaram, eles e seus cônjuges envelheceram, ficaram feios, perderam o encanto, mas, isso não se fala.  Os iguais próximos também foram adoecendo e depois morrendo. É quando um tal se sente sozinho, carente de carinho, carente de amizade, mas coitado, tendo sido o tal, os outros que não eram e não são, são impiedosos e não lhes dão atenção. Por sua vez, o tal ainda com resquícios de ser o tal, não consegue se relacionar com quem não lhe seja igual. Apesar de tudo, mesmo ao perceber que na sua idade a vida (no dizer do filósofo Gurdjieff) nivela todos como sendo “farinha do mesmo saco”, ainda tem tal se pensando ser o tal e estar numa redoma. Se combalido por doença ou pelo envelhecer e não ter a sorte de morrer antes, terá a “nobreza” de sair da redoma para que alguém simples lhe limpe a bunda. Claro, para essa tarefa outros a se julgarem serem os tais sempre estarão ausentes. Felizmente um milagre pode acontecer. Seria a compreensão de uns precisarem de outros não importando um se pensar ser superior ao outro ou este ser inferior àquele.  Temos outra frase: Às vezes podemos pagar caro por aquilo que pensamos ser se isto está a outro desmerecer.

                                                                                                  Altino Olympio

                                                                                       


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar