26/03/2012
Coitado do Valdomiro

Coitado do Valdomiro

Às quatro horas da madrugada do dia vinte e três de março de 2012 a televisão mostrou o pastor Valdomiro chorando. Disse que Deus lhe falou que o diabo não gosta dele. Isso deve ser muito triste. Desagradar o diabo não é nada bom. Entretanto, evoluído como ele é, pediu para Deus abençoar seus inimigos e nada faria contra eles porque seu tempo devia ser dedicado a curar doentes em hospitais, proteger mulheres abandonadas pelos maridos e etc. O choro dele foi tão autêntico e sincero que, até eu chorei também. Outro pastor revelou ao público algumas propriedades que o Valdomiro possui e elas estão registradas em cartório e em nome dele. Não foi uma denúncia e sim uma constatação de como Deus enriquece aqueles os seus mais fiéis servidores. O diabo dizia “ladrão não rouba ladrão” e Deus agora está a dizer “pastor não briga com pastor”. De fato reina a harmonia entre os ladrões e reina muito mais a harmonia entre os pastores. Basta ver na TV a cabo os canais gratuitos que fazem parte de um “pacote” entre os que são pagos. Corretíssimo isso, o que é bom deve mesmo ser gratuito. Nessas transmissões, digamos religiosas, não se vê pastor criticar pastor. Podemos perceber que cuidam do povo minimizando esse dever dos poderes constituídos, estes, do governo deste país para administrar o povo. Tudo é correto, perfeito, mas, se houvesse alguma enganação, alguma mentira, com certeza autoridades iriam intervir e punir os mal intencionados. O povo brasileiro, como sabemos, dedica oferendas a quem representa Deus entre os homens. Com tais oferendas, pode ser que algum pastor adquira bens duráveis, mas, eles sabem que tais bens são de Deus e não deles. Como são seus representantes aqui na terra e como Deus não pode assinar documentos, eles os assinam por Ele. Isso pode ser motivo de inveja para quem não teve a missão de ser representante de Deus aqui na terra, daí a desconfiança contra alguns pastores benfeitores da humanidade. Mas, eles, embora tenham propriedades em seus nomes ou em nome de terceiros, eles vivem como Jesus vivia em estado de pobreza. Mesmo que quisessem usufruir do conforto proveniente dos bens de Deus que estão sobre suas administrações, eles não conseguiriam porque lhes falta tempo para isso. Como estão conectados com as divindades, seus dias são dedicados as orações e eles não perdem tempo com os mesmos interesses dos seres humanos comuns que só pensam em trabalhar em troca de insuficiências. Valdomiro, Valdomiro, você e o outro dono de televisão realizaram um milagre em minha vida. O de não mais acreditar nas calúnias contra alguns de nossos políticos honestos como vocês e que são acusados de corruptos. Mesmo que acusações fossem verídicas, quem se indispõe contra políticos e pastores estão sendo contra Deus porque se esqueceram do “perdoai-os, pois, eles não sabem o que fazem”. Valdomiro, eu sei que depois que você terminar com as curas terá mais tempo para impedir os assaltos e as mortes por assassinatos diários que o povo deste país está sofrendo. Não esmoreça, continue firme na sua nobre missão de espantar demônios e não se preocupe se o diabo não gosta de você. O povo gosta e como você sabe “a voz do povo é a voz de Deus”. Ah, durante a Copa do Mundo, em dois mil e quatorze e nas Olimpíadas de dois mil e dezesseis, talvez, você perceba alguma dispersão do seu povo e não será uma diáspora de fiéis (se sabe o que é isso), fique tranquilo.

                                                                                                   Altino Olympio


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar