25/06/2012
A vida existe para a morte

A vida existe para a morte

Nós nascemos e vivemos para desaparecer com a morte. Ela sempre está a nos espreitar e nunca sabemos quando ela vai nos levar. Quando ela nos leva, o mundo prossegue indiferente para os que se tornam ausentes e o tempo tudo apaga.  Ah o tempo. Também sinônimo de época, numa existimos e nos expressamos conforme nós somos para nós mesmos e para outros. Azar ou sorte, o tempo de qualquer um, prematuramente, pode ser interrompido pela morte. Ela pode nos acontecer durante aquela nossa iludida e pretensiosa autoimportância, quando, ainda pensamos ter muito a fazer e a querer. Para interromper, quase sempre a morte vem para tudo desfazer da arrogância da nossa autoimportância. Até parece uma traição e ninguém garante que exista uma compensação. A vida nos transcorre como ela sendo uma forasteira. Ela é incógnita ao nos desabilitar de saber o que de bom ou mal possa vir a nos ocorrer.  Muitos fatos, se bons ou ruins, nos são inesperados sem ao menos serem premeditados. Mas, em qualquer agora gostamos de pensar que a nossa partida ainda demora. Nós somos filhos do tempo. Ininterrupto como ele é, num devido tempo nós nascemos, crescemos e nele envelhecemos. No envelhecer o tempo já está a nos preparar para o nosso perecer. Ele nos dispensa a qualquer dia, a qualquer hora e não se importa se ainda não queremos ir embora. Então, não somos donos do nosso nascer, não somos donos da vida e nem da morte para poder evitá-la. Somos efêmeros sem ao menos querermos. Nosso viver ou morrer não está ao nosso poder. Somos o que a natureza requer é só existimos enquanto ela quer. Parecemos ser brinquedos para o mundo se divertir em seus folguedos. Somos pueris ao dizer “sou assim, sou isso, sou aquilo” se esquecendo do fim da nossa estrada que nos conduz ao voltar a ser nada. O descontentamento de deixar de existir no tempo provoca o acreditar num outro estado de existir e nisso muitos estão a persistir. Talvez seja apenas cisma, pois, se sabe, o ser humano se perde em sofisma. Contudo, esse nosso imaginar um futuro depois da morte mais nos faz tatear no escuro.

                                                                                                                Altino Olympio

Comentários:

EM RESPOSTA:

DEUS A SUPREMA INTELIGÊNCIA DO UNIVERSO, QUE  CRIOU TUDO QUE EXISTE, NÃO CRIOU UM "TIL" NA NATUREZA QUE NÃO TENHA UTILIDADE.
LOGO TUDO O QUE EXISTE INCLUSIVE NÓS TEM UMA FINALIDADE, SE O UNIVERSO É O RESULTADO DE UMA INTELIGÊNCIA SUPERIOR E NÃO PODE TER SIDO CRIADO ALEATORIAMENTE, INFERE-SE QUE UMA INTELIGÊNCIA SUPERIOR TUDO CONGREGA, TUDO ADMINISTRA.
NÓS, POBRES MORTAIS, ESTAMOS SENDO PRETENSIOSOS DEMAIS EM QUERER ENTENDER COISAS, UMA VEZ QUE, AINDA NECESSITAMOS CONVIVER COM AS NECESSIDADES PRIMÁRIAS PELA NOSSA IGNORÂNCIA CRASSA EM TUDO QUE NOS CERCA.
DEUS O NOSSO CRIADOR, SABE DE TUDO ISSO, MAS ELE QUER QUE A CUSTA DE NOSSOS PROPRIOS ESFORÇOS, CONSIGAMOS BURILAR NOSSAS IMPERFEIÇÕES ATRAVÉS DO CADINHO DA NOSSA EXISTÊNCIA.
LOGO, NÃO NASCEMOS PARA A MORTE. A MORTE É UM PROCESSO USADO PARA O ESPÍRITO QUE ESTAVA ACRISOLADO NA MATÉRIA DESENVOLVER SEU POTENCIAL NA ESCADA INFINITA DE JACO PRECONIZADA NA BIBLIA.
DEUS NÃO NOS CRIOU PARA A INUTILIDADE, PODES CRER, TB NÃO NOS CRIOU PARA SOFRER, ELE ESTABELECEU A  LEI DO AMOR, MAS SÓ APRENDEMOS PELA DOR.
ME DESCULPE, MAS NÃO CONCORDO EM GENERO NUMERO E GRAU COM AS SUAS ASSERTATIVAS.FRATERNALMENTE,OSWALDO JOAO DELLA BETA

***************************************


Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar