07/01/2014
É só barulho


É só barulho

No fim do ano 2013, em São Paulo foi aprovada uma lei que penaliza com multa os benfeitores da humanidade, aqueles mais evoluídos que se sobressaem do restante da população. Vítimas de muita inveja, eles, praticam o bem sem saber a quem quando circulam com seus automóveis com potentes autofalantes repercutindo as músicas mais agradáveis do mundo. Sem eles a vida não tem graça. De madrugada quando os poucos esclarecidos estão dormindo, e sabem-se que dormir faz mal a saúde, os distribuidores de felicidade ao passarem com seus carros sonorizando alto, eles, acordam as pessoas que têm esse vício nocivo de dormir durante a noite. Também, felizes são aqueles que moram próximos aonde existe um bar tendo um ambiente propício para os amantes dos combates contra o silêncio. O silêncio noturno é uma desgraça e provoca muitas doenças. O ouvido humano se deteriora quando é prolongada a ausência se sons ou ruídos. Todos sabem que muitas pessoas são egoístas, pois, ficam em suas casas ouvindo músicas em baixo som só para elas ouvirem. Ao contrário, felizmente temos aqueles nada de egoísta e por serem intelectualmente tão avantajados dividem essa bênção sonora diurna ou noturna para quem possa ouvir. É uma missão divina e os promulgadores da lei contra eles são inconscientes disso.

                                                                                                         Altino Olympio



Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar