14/02/2014
Para pensar....

Para pensar

Comentários sobre algumas frases do filósofo Arthur Schopenhauer:

“Minha condição humana me fascina. Conheço o limite de minha existência e ignoro porque estou nesta terra, mas ás vezes o pressinto”.

Você leitor pressente o porquê de estar vivendo neste mundo? Você às vezes deve pensar que está aqui para uma missão. Com mais de sete bilhões de seres humanos no mundo e cada um com uma missão a cumprir, qual seria a tua? Tomara que não seja igual à de muitos, que, são ridículas demais. Talvez você pressinta que apareceu por aqui e não saiba o que fazer para o seu viver não se perder. Também, você pode pressentir que está aqui só de passagem sem saber para onde vai depois ou talvez já “saiba” que vai para o céu. Se você gosta daqui e quer se estabelecer para sempre, isso é impossível. Aqui se vem sem saber e sem saber quando se vai embora. Nisso pressinto uma safadeza da natureza. Deveríamos ser avisados que viríamos para cá, para trabalhar, possuir muitas coisas e depois termos de partir deixando tudo por aqui. Se eu fosse avisado desse “faça de tudo e deixe tudo por ai”, eu não teria vindo. Seria assim mesmo? Claro que não! No fato de vir a ser e no deixar de ser o homem não tem a decisão. Ele é uma marionete do destino, ou melhor, marionete do acontecer até o acontecer do desaparecer.

“Recuso-me a crer na liberdade e neste conceito filosófico. Eu não sou livre e sim, às vezes, constrangido por pressões estranhas a mim, outras vezes por convicções íntimas”.

Liberdade é um tema mais a ser discutido por pessoas conscientes dessa irrealidade. Em nós, somente o pensamento poderia ser livre. Atualmente ele é livre para pensar igual o que os outros pensam e o que querem que pensemos. Essa é a liberdade atual do pensamento. Diariamente somos tão massacrados com acontecimentos, estímulos visuais e auditivos outros que, nossos pensamentos perdem a particularidade de ser para nós e por nós mesmos. O pensamento perdeu sua independência se é que alguma vez já a teve. Aliás, nenhum governo gosta que seus governados tenham pensamentos próprios a não serem os próprios para manter as mentes distraídas no que não lhes interessa e no que é sem importância.

Aqui refletindo sobre sistemas de governos forçando o nivelar mental entre os homens e impedindo que individualidades se destaquem, o filósofo escreveu o seguinte: “Mas é a pessoa humana livre, criadora e sensível que modela o belo e exalta o sublime, ao passo que as massas continuam arrastadas por uma dança infernal de imbecilidades e de embrutecimento”.

Nesses dizeres entendo o fato de que apenas poucas pessoas do planeta são capazes de exercer criatividade. Essas poucas não se deixam levar pela corrente de entretenimentos, distrações e emoções baratas. As massas, envolvidas em seus autoagraciarem pelos prazeres resultantes de seus entretenimentos, viagens, esportes, cinema, televisão, teatro, shows e etc. são apenas de desfrutadores de benefícios públicos ocasionados pela minoria, aquela que não utiliza seu tempo em vão. Resumindo, as massas humanas mais são envolvidas por distrações, enquanto poucos se incumbem de ser mais úteis para a sociedade.
“Jamais considerei o prazer e a felicidade como um fim em si e deixo este tipo de satisfação aos indivíduos reduzidos a instintos de grupo ou massa”.

O filósofo “pegava pesado”. Como depreendi o ser humano devia fazer o que tem que fazer, apenas por fazer, sem se preocupar se o que faz tem em troca prazer ou felicidade. Mas, o ser humano sempre quer ser pago de algum modo, nesse caso, pago com as situações efêmeras do prazer e da felicidade dessas satisfações apenas momentâneas. Não devem ser consideradas “como um fim em si” porque não são constantes. 

“Tenho forte amor pela justiça, pelo compromisso social. Mas com muita dificuldade me integro com os homens e em suas comunidades. Não lhes sinto a falta porque sou profundamente um solitário. Sinto-me realmente ligado ao Estado, à pátria, a meus amigos, a minha família no sentido completo do termo. Mas, meu coração experimenta diante desses laços curioso sentimento de estranheza, de afastamento e a idade vem acentuando ainda mais essa distância”.

Seria assim mesmo? Com o passar dos anos vem à vontade de ser solitário? Pode ser que com a idade avançada venha à perda das ilusões e o reconhecimento das desnecessidades da existência que preenchem a vida de qualquer um. O mais perceber as realidades da vida quando isenta de ambições, de paixões, isenta das superstições e de dogmas impraticáveis pode mesmo provocar o afastamento do relacionamento humano com outros, se eles ainda estão na retaguarda das mesmas isenções. Nisso, os outros são considerados apenas “os outros” para, se inevitável, ter com eles um relacionamento superficial e isso é a “distância” sentida pelo filósofo.

                                                                                                             Altino Olympio  



Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar