27/05/2014
Não julgueis para não seres julgado


Não julgueis para não seres julgado

Essa frase título é mais uma das sem efeitos. Mais lógica a frase seria assim: Sempre que julgar o faça em silêncio e sem revelar. Pronto, a coerência está estabelecida. Há todos os instantes alguém está julgando alguém sem se importar se será julgado também. Quando uma pessoa é bem educada e outra comete algo que contraria a sua educação, sua moral e sua ética, em seu íntimo ela já julgou e até condenou como sendo indesejável a outra antes que o intelecto pudesse reagir lembrando-a do erro que é o julgar. Nesse caso o intelecto funciona como disfarce dos nossos sentimentos. Ele impede o exteriorizar por palavras a repulsa que o julgar interior antecedeu a ele. O ser humano é muito aconchegado com a hipocrisia. É comum ele rir mesmo quando sua reação interna seja contrária, isto é, para ofender ou mesmo brigar com outra pessoa que o desagrade. O “não julgueis para não seres julgado” só é coerência se está a se referir sobre o revelar por palavras o julgar. É incompetente para impedir o julgamento que é instantâneo proveniente do âmago de cada um. Quem consegue se anteceder ao sentimento para impedi-lo de julgar? Ninguém consegue. Então, muitas frases estão a nos orientar apenas intelectualmente, ou melhor, por fora, sem conseguir nos orientar por dentro ou interiormente. Talvez por hipnose se consiga introduzir no sentimento a ordem “não julgar”. Mas, isso é apenas uma idéia para psicólogos, padres e pastores e nem sei se isso funciona. Terminando, o que nos surge espontaneamente no sentimento seria a nossa verdade se não fosse abafada pela distorção dela pelo intelecto. Ele, hipocritamente sempre está a nos proteger de exteriorizar o que pensamos para bem podermos viver em sociedade. O intelecto ao se expor através de nossas palavras, no mais das vezes, ele é contrário a reação do sentimento ao julgar alguém, felizmente, porque, se assim não fosse só teríamos inimizades. 

                                                                                                       Altino Olympio



Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar