04/08/2014
Certezas nas incertezas

Certezas nas incertezas
 
As pessoas procuram locais descontraídos à beira mar, nas matas ou nas montanhas no dizer que esses retiros são para higiene mental. Entretanto, qualquer um pode se retirar pra dentro de si mesmo em qualquer ocasião que queira para olhar para dentro de si e é só onde mais poderá desfrutar da paz e tranqüilidade. Os momentos de solidão são os mais propícios para se ser quem é sem o ser que se é de quando misturado com outros.    
 
“Falando” sobre o final da existência, o homem declina, adoece, torna-se decrépto, envelhece. Seu poder de realização de desvanece e torna-se uma sombra de si mesmo. Com o tempo, mesmo seu nome se perderá para a lembrança humana. O brilho de suas realizações apagar-se-á. Esperar mais que isso da existência terrena é absurdo, embora, muitos esperam.
 
Quando a relação entre fatos não é clara ou evidente, a imaginação fértil do homem cria ou inventa alguma relação. Por exemplo, não há relação clara com a morte e a continuidade da existência depois dela. Sendo assim, o homem criou na imaginação uma relação, aquela dele continuar existindo invisível aguardando um julgamento final sobre suas boas ou más ações enquanto esteve vivo tendo o seu corpo material. Outra relação criada pela imaginação humana é aquela em que depois de morto seu corpo, o homem em espírito fica aguardando a ocasião de retornar encarnado. A capacidade imaginativa humana é bem producente para criar respostas quando elas ainda não existem, principalmente, com suas certezas. 
 
O ser humano, pelo desleixo de refletir por si mesmo, acomodado mental, ele prefere recepcionar em sua mente, idéias e teorias sobre a existência e também depois dela, tudo sendo proveniente de outros. Nessa acumulação de conceitos aceitos, ele os protege como lhes sendo próprios. Qualquer ser humano, sempre se pode vê-lo agrupado com outros na mesma situação de ouvir outros com argumentações sobre idéias e teorias que também não são originais deles. Nós parecemos ser cópias das cópias e estas sendo as relevâncias de sempre.
 
Dentre os seres humanos existem os divulgadores das verdades, aqueles que, afetados por conceitos irrefletidos, na soberba de suas inclinações beneficentes, eles se sentem na missão de alastrar suas tidas verdades para outros também ausentes de reflexão e incapacitados de divergências. Muitos locais onde muitos se reúnem para receberem ensinamentos com exemplos de outros da antiguidade sobre o correto modo de viver e proceder diante das verdades do além, tais locais mais são parecidos com escolas primárias para adultos. E estes, se comportam como crianças obedientes dispostas a tudo ouvir sem discordar, mesmo que possa haver dúvidas ou controvérsias.
 
                                                                                                       Altino Olympio 


Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar