07/04/2016
Leva-me para viajar

Eu que feliz já fui criança

Agora idoso perdi a esperança
De me ver alegre lá na França
Não é que perdi a confiança
É que é pouca a minha poupança
Quando jovem viajar nunca quis
Eu nem sabia que existia Paris
No meu passado eu vivia a namorar
Quase não pensava em viajar
Era pobre mas era realista
Era sem condição de ser turista
O tempo a passar a tudo me abarrota
E vou morrer sem conhecer a Europa
Hoje  me sobrou o pensamento
Com ele vivo todo o tempo
Sem mesmo sair do lugar
Estou sempre a viajar
Também muito viajo pela idade
Ela sempre me faz ver a realidade
Que o viver não é para a eternidade
O tempo passa tão depressa
Parecendo que felicidade é só promessa
Ou exista  mesmo naquele ardor
De quem sempre viaja para o exterior

Altino Olympio 
 



Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar