10/06/2016
Era bem divertido

Participar de um programa de rádio mais tem alegrias e menos tem contrariedades. Isso pode ser dito sobre a antiga 96.5 FM e sobre a 87.5 FM. Ambas sendo de Caieiras. Na primeira o programa se chamava “Antiga Caieiras de Nossa Gente” e na outra “Nostalgia na Madrugada”. Nas duas emissoras e nos dois programas o ouvinte podia telefonar e participar até “pelo ar” da região e nas 87.5 FM também pela internet.  Mas, ás vezes, nalgumas brincadeiras (sempre havia) se falava o que queria e pelo telefone se ouvia o que não queria (risos). Lembro-me de quando muito se falava do estimulante sexual masculino de marca Viagra e como o tal comprimido veio para a alegria dos idosos. Até aqui tudo bem, mas, eu sendo tão simples, às vezes falava “sem querer” algo desnecessário.

Então... Falei pelo microfone “ver um casal de velhos praticando sexo parece estar assistindo a um filme de terror” (risos). O telefone tocou e a bronca foi imediata. Uma mulher muito me repreendeu e disse que eu também iria ficar velho. Ai eu ia aprender a ter mais respeito pelos outros. Falei-lhe “mas minha senhora só estou brincando, não me leve a sério”. Ela resmungou dizendo “isso não é brincadeira que se faça”.

Doutra vez, falei: Os homens só se casam para ter sexo de graça e sempre à disposição (risos). Primeiro um homem telefonou dizendo nunca ter pensado nisso e talvez eu não estivesse errado. Ele se lembrou de quando era solteiro e não parava em casa. Só andava atrás de “rabo de saia” pelas esquinas da vida e depois que se casou “virou santo” e só “paparicava” a sua esposa. 

Depois “ligou” uma mulher me dando lições sobre a vida. Falou sobre o amor entre um homem e uma mulher e isso era o principal motivo do casamento. Disse que o sexo só era um complemento e vinha depois do amor. Daí, pensei, “o sexo vem depois do amor, mas, e se ele faltar como é que o amor vai ficar?” Pois é, muita gente vive só de palavras e não de práticas para melhor entender a realidade de ser e do proceder humano. Ter um programa de rádio é divertido. É só não dar importância para as críticas provenientes, mais das pessoas conhecidas do lugar, que, sempre tem algo a criticar pela simples necessidade e desejo de criticar, mas, nem sempre.

                                                                                    Altino Olympio  

 

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar