25/04/2017
Enquanto se existe

O mundo é o chão de todo lugar

O ar, o céu, o sol, o dia e a noite

As estrelas, a lua, os rios e o mar

As matas, árvores, o frio e o calor

As nuvens, a chuva, o arco-íris

Raios e trovões, tempo e clima

Animais, aves, peixes, moscas

Casa, família, pai, mãe, irmãos

Cidades, gente, muita gente

Depois do nada se aparece

Cresce-se e se vê tudo que existe

O mundo grande e o chão dele

O céu, o sol, a lua, o dia e a noite...

É muito pequeno ser como se é

Ínfimo, diminuto ante o imenso

Mas por que e para que vir aqui

Para nascer viver e depois morrer

Pra depois nada mais ser

A vida é uma grande incógnita

Vive-se apenas por viver

Sem querer saber seu sentido

Sem saber o que possa acontecer

Se tiver algum propósito ele está oculto

Do nascer ao morrer só está o saber

De ser o finito insignificante no infinito

É a melancolia que mais se acentua

Como rua deserta sob o clarão da lua

Uns morrem para que outros possam viver

Ou uns matam para que possam sobreviver

Acontece na natureza impondo sua indiferença

E assim o mundo se descortina para os olhos

Eles trazem para dentro o mundo de fora

O céu, o sol, a lua, as nuvens, a chuva...

Tudo continua depois do último dia chegar

É o principal dia indesejável para se aguardar

Ele é do deixar tudo para o nada poder levar

 

Altino Olimpio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber

Voltar