24/07/2017
A Banda da ilusão

O conhecido compositor Alberto Luiz, com suas letras de músicas, às vezes segue uma trajetória para “chamar a atenção” de como as ilusões sempre permeiam as nossas vidas, embora, sejam imperceptíveis enquanto na alegria e na euforia elas (as ilusões) estão sendo vividas. Uma das composições do Alberto, a Balada Nº 7 escrita para homenagear o famoso jogador de futebol Garrincha e gravada pelo cantor Moacyr Franco começa assim:
 
Sua ilusão entra em campo num estádio vazio
Uma torcida de sonho aplaude talvez
O velho atleta recorda as jogadas felizes
Mata a saudade no peito driblando as emoções...

Cadê você, cadê você, você passou
O que era doce, o que não era se acabou...

Essa música provoca uma lembrança triste em quem se lembra e gostava do jogador e constata que o que é passageiro e não perdura é ilusão. “Os seres humanos também são passageiros e não perduram, então...” (risos).

Outra música composta pelo citado compositor chama-se “Banda da ilusão” cantada pelo cantor Ronnie Von. Na música, banda é a vida significando que depois que se nasce não tem como se fugir da vida. Quando ele canta “São tantos instrumentos pela vida e essa gente distraída vai levando sua cruz. Tem uns que tocam tudo e outros nada. Vai tocando nesta estrada quem não toca não traduz... É a lei de a vida tocar pra não morrer...”. Os “tantos instrumentos” (da banda) podem representar as tantas passagens pela vida, sendo que muitas desiludem e deixam suas marcas ou dissabores (risos). Todos que vivem “tocam na banda”, mas, poucos são dados a refletir sobre ela. Para quem aprecia refletir, o link abaixo é da música em questão. Conforme a “bagagem” (cheia ou vazia, feliz ou infeliz) que cada um tenha da vida será sua reflexão sobre ela. Agradeço ao Oswaldo João Della Betta por ter-me enviado a música, pois, ela me inspirou para escrever estas poucas palavras sobre ela.  

 https://www.youtube.com/watch?v=GKUhh3y7H0o

                                                                                Altino Olimpio
                                                                  



Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar