14/08/2017
Brasileiro é tão bonzinho

Existem alguns (muitos) lugares escolhidos para serem “pegadinhas” para quem é distraído e iludido, cuja distração faz muito bem à nação. As existentes placas de sinalização de “50 km. por hora” (ou mais ou menos) nos trajetos para os condutores de veículos, parece que elas fazem desconfiar que logo possa existir em algum lugar um radar que os esteja esperando para dar-lhes “boas vindas”. Para mais ou menos dez metros antes e para mais ou menos dez metros depois do radar, isto é, por mais ou menos vinte metros é preciso manter a educação que se tem sobre o transito. Entretanto, depois de se passar pelo lugar traiçoeiro a boa má educação pode retornar prosseguindo pelo trajeto desenvolvendo velocidades superiores as “exigidas” pelas placas sinalizadoras, pois, nada mais há para flagrar quem está a rodar longe do radar que só fica num lugar escolhido para arrecadar dos traídos, aqueles que se esquecem de trafegar devagar. Lembrando, é o povo quem elege quem os vai administrar administrando-o com o azar para ele ser pego pelo radar (risos). E o nosso povo nunca fica a reclamar, vive para tudo aceitar e até nos faz lembrar aquela bonita e engraçada atriz Jacqueline Myrna (substituida que foi por outra atriz, a Kate Lyra) que com sotaque francês dizia no programa “Praça da Alegria” que “brasileiro é tão bonzinho”. Mas, será que ela quis dar a entender que ele é tão bobinho?



Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar