30/08/2017
O passado “vive” no presente

Quando me distraio do agora sem querer vou embora para o passado. E assim neste presente “revivo” momentos que existiram e deixaram de existir como tudo do e no mundo deixa de existir porque ele é do “devir”, um conceito filosófico de Heráclito de Éfeso que, no século VI a.C. disse que nada neste mundo é permanente, permanentes são apenas as mudanças e as transformações. O passado não existe no mundo. Presente e futuro também não. Passado, presente e futuro são somente divisões psicológicas do tempo engendradas pelos homens enquanto o mundo prossegue alheio à humanidade circulando e transladando ao redor do sol.

Mas, embora não tendo existência para o mundo e nem tendo substância para os homens, o passado só resiste em ser o que foi somente na mente subjetiva deles, isto é, em suas memórias. E nessa subjetividade os passados são tão diferentes conforme como foram às existências de quem os memorizou e os relembra. Se numa reunião de pessoas com mais ou menos a mesma idade se pedir que relatem tudo o que elas se lembram de suas vidas, nenhum passado será igual a outro. “Existem tantos passados” conquanto sejam os habitantes do mundo e nenhum coincide com outro. Então, o passado é particular para quem o possui (risos).

O tempo é como uma locomotiva a vapor que vai apitando os agoras e soltando fumaças para trás (os presentes que se evaporam). O mundo e o tempo, eles nunca param. Entretanto, o que parou num devido tempo enquanto ele continuou a passar indiferente com as imaginações humanas foram os conceitos ainda não identificados como reais. Desde então, “separados do devir” que tudo transforma e tudo modifica, tais conceitos continuaram imutáveis, “imodificáveis” até estes tempos. Eles não são do presente, mas estão sempre presentes (risos). E o passado não existe porque já existiu e o tempo faz com que muitos de nós já fiquemos passados para atuar nesta época tão presente de tecnologia prognosticando um futuro cada vez mais sofisticado para se viver.

 

Altino Olympio



Leia outras matérias desta seção
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida

Voltar