19/12/2017
Músicas maravilhosas

Alguém já escreveu que as músicas representam a evolução humana da época em que elas são produzidas. Pensando sobre isso... No bairro em que eu moro, quando vou às compras na avenida perto de casa, ouço sem querer e sou “obrigado” a ouvir as mais belas melodias do mundo provenientes das lojas e das farmácias. Não há mais do que se queixar. O “romantismo” atual veio mesmo para emocionar a todos. O gosto musical acompanha a evolução humana da época. Os compositores dessas músicas românticas e significantes, também. Também quem tem o prazer de ouvi-las faz parte desse progresso mental notável e admirável.

Lembro-me de uma música que foi sucesso devido à letra dela ser bem comovente: “Aonde a vaca vai o boi vai atrás. Mas aonde a vaca vai o boi vai atrás”. Será que ainda produzem maravilhas como esta? Parte do povo brasileiro adere às músicas que se equiparam com o seu humor musical. Parece também que o nível evolutivo de muitos políticos seja igual ao nível agradável das músicas de suas épocas (risos).

E nesta nossa época... Parece que não tem mais músicas parecidas com esta: “Que beijinho doce, Que ela tem, Depois que beijei ela, Nunca mais amei ninguém. Que beijinho doce, Foi ela quem trouxe, De longe pra mim. Um abraço apertado, Suspiro dobrado, E amor sem fim. Coração quem manda, Quando a gente... ...” Opa, quem continuou a cantar é porque faz tempo que não é jovem (risos).

 

Altino Olympio

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...

Voltar