11/01/2018
O detestável adorado pela mídia

Essa mídia agora também “internetilizada”, diariamente, estupidamente, imbecilmente, coloca em evidência quem já causa enjôos só pelo fato de ser visto como um astro de cinema ou televisão, como se ela, a mídia, não pudesse mais sobreviver sem divulgar pessoas ridículas. Mas, surpreendentemente, o “cara” que enjoa ficou mais famoso que os antigos The Beatles, mais famoso que o Tiririca e até de Jesus. Todo “diabo dia” (risos), ou melhor, todo santo dia se vê, mesmo sem querer, a cara do fulano que possivelmente ainda pode ser santificado neste país donde mais nada pode surpreender.

Caramba, todo dia... CHEGA! CHEGA CARAMBA! Já está irritante ver sempre a cara daquele cara de pau. Aquele saudoso artista de TV que se chamava Costinha era muito mais sério do que esse “cara” que a mídia endeusa todos os dias postando sua imagem deprimente e decadente. A mídia brasileira, essa formadora de opiniões, no mais das vezes indecentes, ela não está a serviço do povo que lhe presta audiência. Está sim servindo aos interesses até escusos que também lhes interessam para manter confusos, principalmente aqueles que não têm discernimento para avaliar o que ela divulga como sendo coerente ou não. A liberdade de expressão é mesmo boa para qualquer divulgação.

 

Altino Olympio

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Prá onde foi morar a moral?
 » O detestável adorado pela mídia
 » Os comuns e os incomuns do pote de ouro
 » Desejos que só ficam nos desejos
 » Entrevista com o Filósofo (Altino Olympio)
 » O início da fila que ninguém quer ver
 » O despertar para as realidades
 » Músicas maravilhosas
 » Nosso personagem interior
 » Nós, os Adãos de todos os tempos
 » Brincando com a vida
 » O pesadelo terminou num sonho bom
 » Moda que incomoda
 » Mundo perverso
 » Salto para a vida
 » O melhor programa de televisão
 » Foram bilhões que desapareceram antes
 » A reputação morreu
 » O prevalecer dos enigmas
 » Essas crianças grandes...

Voltar