07/03/2018
A medicina comestível

Conforme Hipócrates, o pai da medicina aconselhou “que o teu alimento seja o teu remédio e que o teu remédio seja o teu alimento”, será que isso ainda é válido para estes nossos dias de quando os nossos alimentos possam estar contaminados pelos excessos de insumos e pesticidas agrícolas? Com o surgimento da internet, ela deveria ser utilizada mais para as informações necessárias e importantes para o povo. Mas, não! Ela foi transformada numa grande farra onde são divulgadas as idiotices congênitas de quem aprecia confundir os outros. O ser humano parece mesmo que é um bicho doido demais. Onde ele se mete relaxa com tudo o que deveria ser útil, como é o caso de suas inversões pela internet. É inimaginável a quantidade de vídeos sobre o que é “bom pra saúde” que os tais seres humanos “entendidos” postam no tal do Youtube da agora internet indispensável no nosso moderno viver.

Se tudo fosse verdade muitas pessoas se curariam e não mais ficariam doentes. A medicina se tornaria desnecessária e os planos de saúde também. Eu não sabia que tantos alimentos e tantas frutas tinham tanto poder de fortalecimento e até de evitar o envelhecimento. Quando no Youtube algum vídeo indica um ótimo alimento para endurecer o Zé, muitos acreditam mesmo sendo imodificável a natureza da moleza do Zé (risos). Quem diria, hein? Neste mundo tão maravilhoso com tantas pessoas maravilhosas, temos que evitá-las para que elas não nos enganem (risos). Este mundo seria tão “chato e tão sem graça” se todas as pessoas só abrissem a boca para falar verdades. Parece que atualmente os absurdos estão sendo mais convenientes para o entreter de muita gente.

Altino Olympio



Leia outras matérias desta seção
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação
 » Recordar é reviver
 » O melhor amigo vai chegar
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados

Voltar