10/08/2018
Os sonhos e os espíritos

Como seria se vivêssemos neste mundo sem termos qualquer idéia ou teoria sobre outro mundo que possa existir? Todos nós viveríamos a vida neste mundo só com o que ele contém, isto é, só com o que a nossa consciência conseguisse discernir como sendo real. Ninguém falaria ou escreveria sobre existências outras que ninguém vê. Se fosse assim as pessoas se preocupariam apenas com a existência de si mesmas e viveriam até o morrer como sendo o último fato a lhes acontecer. Entretanto, o viver seria muito sem graça. Ninguém mais se preocuparia em ser bonzinho e sem pecados para poder ser recompensado lá no outro mundo que é o real, assim como muitos pensam e dizem. As pessoas maldosas também não viveriam com medo de serem castigadas depois de suas mortes. O mundo ficaria tão “chato” para se viver sem as ideações que compõem os pensamentos abstratos e que são generalizados por todo o mundo.

Desde tempos imemoriais os seres humanos acreditavam num outro plano de existência para onde todos vão depois de morrer. Essa hipótese, conforme já li sobre isso, deve ter se originado a partir dos sonhos que eles tinham durante a noite. Nos sonhos pessoas que já haviam morrido apareciam para os vivos e parecia que elas continuavam a “viver” noutro lugar. Dai aqueles que sonharam com quem não mais existia neste mundo “acharam” que outro mundo existia, o mundo dos espíritos. Desde sempre os homens se utilizaram do “achismo” para desenvolver suas idéias. Tais sonhos causaram o aparecimento da existência da metafísica ou do além da física no pensamento.

Sem os sonhos com os falecidos não se teria imaginado uma divisão do mundo em dois, um material e outro espiritual, um para os vivos e outro para os espíritos. Nas sociedades antigas acreditava-se que o aparecimento de um morto no sonho era evidência que existia uma vida além da sepultura. Contudo, os sonhos são arquivos da memória que “vazam” dela para a mente enquanto se está adormecido e inconsciente. Até as pessoas que já morreram, sejam eles os nossos pais, os parentes, os amigos, os conhecidos e até estranhos, mesmo não sendo lembrados quando estamos despertos, por estarem registrados, eles podem aparecer em qualquer dos nossos sonhos. Mas, para nós do século vinte e um, isso nos sonhos “que são sonhos” não é evidência de que estejam “vivos” num outro mundo.


Altino Olympio

Leia outras matérias desta seção
 » Como se escolhe o melhor presidente
 » Os sonhos e os espíritos
 » Pressão arterial panaceia
 » Tonterias sérias
 » O panteísmo de Espinoza
 » A distância é como o vento
 » Estatina a Companheira indesejável
 » Viver mil vidas numa só vida
 » O menino e a chuva de pedra
 » Zumbido nos ouvidos
 » Mundo conturbado pelos que não evoluíram
 » Desinformação e distorção da verdade
 » Chegando ao começo do fim da vida
 » Nada de novo sob o sol
 » Quando havia fascinação
 » Nossos heróis morreram e outros não nasceram
 » Quem é você leitor?
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » Comparação decepcionante
 » Passeio do viver interior

Voltar