18/03/2019
Poluição mental

Desde há muito tempo os meios de comunicação (hoje se chamam mídia) estiveram a adaptar o povo a se habituar, a se sujeitar, a se depender, a se viciar com suas divulgações diárias, no mais das vezes, desprovidas de importâncias. Assim são todas aquelas divulgações que nada têm a ver com a vida de quem dedica parte do tempo de sua vida para elas. Quando qualquer pessoa é assídua nessas distrações promovidas por outros, isso pode ser uma autotraição. É o deixar de ser o si mesmo para ser receptor de idéias ou transmissões idealizadas por outros. Nessa receptividade mental muito ocorre o se esquecer de si mesmo. É como o que está sendo transmitido tivesse um poder hipnótico para prender a mente de quem está exposto a tais divulgações, principalmente as audiovisuais, televisivas.

 

Às vezes penso que as pessoas não gostam de serem elas mesmas. Gostam de se esquecerem quando sempre procuram por entretenimento. Pior quando se entregam a entretenimentos que sejam por capítulos. Então, diariamente tais pessoas reservam parte de seus tempos para nada fazer por si mesmas enquanto tais capítulos de entretenimento estejam sendo-lhes transmitidos. É mesmo, as novelas de televisão prendem as consciências de quem as assiste tornando-as inconscientes de si mesmas durante tais transmissões. É como se tivessem sido perdidos ou roubados os tempos que deveriam ser delas mesmas.

 

Muitas vezes vi pessoas entretidas com a televisão. Pareceu-me que elas estavam apenas com o corpo presente, porque, suas consciências, deslocadas de seus corpos estiveram embutidas no que estavam assistindo. Até pareceu-me que elas estiveram numa projeção astral (risos) como se seus “espíritos” (corpos psíquicos) tivessem abandonado seus corpos que, sentados, estavam relaxados no sofá da sala donde estavam. O assistir jogos de futebol pela televisão também causa o “esquecimento de si mesmo”. Para perceber isso basta ver como tais telespectadores ficam tão atentos ao jogo que até ficam distraídos do que lhes ocorre ao redor.

 

Aqui está sugerido porque é fácil o influenciar do povo de qualquer país. As massas humanas foram condicionadas a terem vivências exteriores em detrimento das interiores. E para sustentar a exterioridade com que muitos vivem, além do rádio, da televisão, da internet com suas redes sociais e etc. agora existe também a “epidemia” dos aparelhos celulares em que se agrupam neles, além de telefone, estações de rádio, canais de televisão e acesso a internet. Agora sim a dispersão da individualidade está a ser mais abrangente. Parece que mais ninguém consegue ser o alguém de suas próprias distrações sem que esteja dissociado das distrações que outros têm a criatividade ou a ousadia de proporcionar o que seja ridículo, como, muitos dos programas de televisão.

 

Se todos só se preocupassem com o que de fato lhes é necessário ver, ouvir, pensar e saber, suas vidas seriam mais significativas. Nestes tempos de tantas divulgações indignas para seres humanos sérios e normais, ser constantemente receptivo a elas é ter uma vida insignificante e distante dos verdadeiros valores da vida, mesmo os mais simples. Se preencher dessas desnecessidades promulgadas diariamente, isso faz com que a consciência se atrofie para o objetivo a que mais está destinada, isto é, “adquirir conhecimento e não a efêmera satisfação dos sentidos”.

 

Altino Olympio 



Leia outras matérias desta seção
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?

Voltar