30/05/2019
As noites são das lembranças

Eu a encontrei no supermercado e logo ela foi me dizendo: Todas as noites o Barreiro vem me visitar e não sai da minha cabeça. O nome dela é Adélia e Barreiro era uma vila que existia no município de Caieiras. Depois pensei “não é só para mim que nas noites o passado gosta de se impor afastando o presente para se ‘reviver’ nas lembranças que foram memorizadas.”

Noite após noite sem ser esperado e convidado, o passado sempre quer aparecer para atrapalhar o meu sono antes de eu adormecer. Ele é um intruso preenchido somente pelos momentos passageiros e que hoje só são lembranças.  À noite meu mundo é um fluxo de pensamentos, mas, os do passado às vezes me são tormentos. Felizmente em outras vezes eles até me servem para entretenimento, isso, enquanto o sono não vem. Mas, sejam para tormentos ou para entretenimentos, tais pensamentos sempre me desviam dos agoras, e só eles sim é que deveriam se ocupar com as horas.   

Quando à noite já no leito meus pensamentos são imaginações, mesmo que sejam sobre ilusões, o passado se aparece logo ele desaparece. Às vezes me imagino perdido na noite, pois, não quero lembrar-me do passado e nem pensar no futuro que ainda não existe. E, para o presente vivo indiferente. Parece que estou num apuro, porque, não quero o passado, rejeito o presente e já não tenho o futuro (risos).

Felizmente tenho o consolo de quando ao adormecer os sonhos me vem. Que bom! Neles não existe o trio passado, presente e futuro, porque, como se dizia, às vezes eles são sem pés e sem cabeça. Esse trio que acompanha a todos nem sempre é o que todos querem. O tempo que é contínuo, linear, para o homem ele é dividido em três partes, passado, presente e futuro. Sendo assim o homem sofre as consequências, boas ou más, pertinentes a essas divisões inevitáveis enquanto o tempo não sofre divisões. Ele não tem as fazes da vida humana, ele não tem tempo de ser criança, de ser adulto, não tem tempo de ficar velho e nem tempo de ficar sem tempo como nós ficamos depois que morremos, ou, é ele que fica sem nós (risos).

 

Altino Olimpio



Leia outras matérias desta seção
 » O túnel do tempo
 » Mas que vida engraçada
 » Cada dia uma para encher o saco
 » Durante a pandemia a ociosidade faz pensar
 » Somos prisioneiros do tempo
 » Achismos incoerentes
 » Governador de São Paulo e a China
 » A mulher muito bonita
 » O desabafo da amiga
 » Quem procura encontra?.
 » Sabedoria popular
 » Flor que não se cheira
 » O que é a Quaresma
 » O tempo passa e nada muda
 » O futuro do passado
 » Música La Paloma e sua tristeza
 » Carnaval e mulheres bonitas
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação

Voltar