02/09/2019
Por que viemos ao mundo?

Melhor seria se perguntar porque estamos aqui

Já que fomos à consequência de uma causa

E nos tornamos o efeito causado por outros

Como eles também foram causados por outros

Resultantes do prazer entre homem e mulher

E na inconsciência nós entramos no mundo

Quando ficamos conscientes tudo já era

Nada havia a fazer a não ser ter que viver

Faz parte da natureza da espécie humana

Estar sob o domínio do poder do sexo

Não é sem nexo dizer que é de donde emana

Toda trama de provocar o nascer de crianças

Nisso os pais são aqueles que já foram filhos

E os filhos sem empecilhos também serão pais

Todos descendentes e procedentes de um coito

Numa volúpia entre dois muito afoitos

Servindo para descarregar energia  

Começando com afagos termina em orgia

E fatalmente sempre acaba em gestação

Disso não se sabe o que vai ser quem nascer

Poderá ser inteligente ou mesmo um otário

E ser operário neste país agora sem trabalho

Quando se nasce a cabeça é toda vazia

Logo ela fica recheada de mentiras

Para viver no mundo sem ter sabedoria

É difícil nascer gozando de grandes faculdades

E se sobressair do banal e trivial da humanidade 

Para o mundo viemos sem querer e sem prever

Resultantes do acaso de uma união sexual

Para sermos incluídos nas contingências do viver

E na verdade ninguém sabe porque estamos aqui

Talvez só seja para viver e depois morrer

Isso com certeza todos sabem, além disso, não

Entretanto se somos ou não uma obra do acaso

Isso é um caso que têm diversas opiniões

E entre todas ainda não existem as soluções

Aqui nascemos e é melhor vivermos sem pensar

Se tudo foi pra nossa sorte ou pro nosso azar (risos)

 

Altino Olimpio



Leia outras matérias desta seção
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado
 » Puxão de orelha
 » O homem, suas ilusões e fantasias
 » Costumes sagrados interrompidos
 » O túnel do tempo

Voltar