30/03/2020
Sabedoria popular

Como se sabe, os seres humanos adultos nunca deixam de serem crianças, pois, sempre é preciso ensiná-los sobre o que é necessário que eles façam com precisão. A mídia sabe disso e, como se fossem mesmo crianças, sempre os ensina com exemplos para que eles aprendam a lavar as mãos. A mídia, essa professora ou instrutora moderna televisiona pessoas lavando as mãos corretamente. Seus alunos, agora, embora tenha demorado muito, finalmente aprenderam a lavar as mãos. Mas, isso causou um problema. Com tanta gente lavando as mãos a toda hora, quase secaram todos os reservatórios d’água deste país.

Contaram-me algo muito impressionante. Como neste país seu povo adora estudar sobre sua história e sobre a história do mundo, um dos mais estudiosos brasileiros esteve em Portugal num museu para se inteirar da vida, da biografia do então famoso Luis Vaz de Camões (1524-1579) o autor do livro “Os Lusíadas”. Ao penetrar onde estava tudo o que se referia ao autor, ele se deparou com dois esqueletos. Curioso ele perguntou para quem do museu o estava acompanhando sobre de quem eram os esqueletos sendo um maior que o outro. Foi-lhe dito que o maior era de Camões. E o outro menor? Perguntou o estudioso. Ah, o menor é de quando Camões tinha apenas cinco anos de idade, respondeu-lhe o acompanhante. Convencido com tal explicação o brasileiro sentiu-se muito agradecido.

Aqui neste país que é a nossa pátria amada e idolatrada qualquer um pode se candidatar para ser presidente. Alguém sabe quais foram os “quaisquer uns” que foram elevados ao poder escolhidos pelo povo? Isso ainda não é qualquer um que sabe (risos).

Em tempos de epidemia ou pandemia tudo se fecha para se obter isolamento do povo e a solução sobre o que contamina não vem lá de cima e sim vem da ciência e da medicina.

Altino Olimpio



Leia outras matérias desta seção
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...

Voltar